A americana Colleen Hauser desistiu de fugir e afirmou nesta terça-feira ao juiz de Minessota que permitirá o tratamento com quimioterapia para seu filho Daniel Hauser, 13, que tem linfoma de Hodgkin, um câncer nos gânglios linfáticos.

Na semana passada, o juiz John Rodenberg, do Condado de Brown, em Minnesota, emitiu um mandado de prisão contra a mãe por se recusar a dar tratamento para o filho, já que não acredita em medicina tradicional.

Segundo um oncologista que examinou Daniel, seu tumor cresceu significativamente e ele precisa do tratamento o quanto antes.

Daniel e sua mãe não foram a uma audiência na corte na semana passada e decidiram sair do Estado para buscar tratamento alternativo.

Os Hausers, que têm oito filhos, são católicos. Embora a Igreja Católica não tenha nenhuma restrição à quimioterapia, eles seguem uma filosofia de “não ferir” da Nemenhah Band, um grupo religioso de Missouri que acredita em métodos de cura natural defendidos por alguns índios americanos.

O grupo Nemenhah foi fundado nos anos 90 por Philip Cloudpiler Landis, que ficou quatro meses na prisão de Idaho por fraude relacionada ao uso de remédios naturais. Laid afirmou ter fundado a crença após ter recebido um diagnóstico de câncer similar ao de Daniel. Ele afirma ter sido curado ao seguir uma dieta.

Nesta terça-feira, Coleen e o marido, Anthony Hauser, disseram ao juiz entender a importância do tratamento quimioterápico e afirmaram que vão abandonar suas crenças religiosas para garantir o tratamento.

Apesar da oposição dos procuradores do Estado, o juiz John Rodenberg permitiu que os pais mantenham a guarda de Daniel, mas ressaltou que a Justiça fará um acompanhamento rígido do tratamento.

Em troca da retirada das queixas contra a família, os pais de Daniel permitiram que um oncologista o avaliasse. O exame mostrou que o tumor no peito de Daniel cresceu desde fevereiro, quando fez uma única sessão de quimioterapia.

“O tumor está crescendo para fora da parede do peito de Daniel”, disse o Dr. Michael Richards.

Médicos afirmam que o câncer de Daniel tem 90% de chance de cura com radioterapia e quimioterapia. Sem estes tratamentos, os médicos afirmam que a chance de sobrevivência cai para 5%.

Fonte: Folha Online