A igreja considerou errado o apoio que a mãe forneceu a filha durante o processo para obter seus direitos.

Linda Cooper foi expulsa da igreja que frequentava – Ridgedale Church of Christ – por apoiar a filha lésbica Kat Cooper, na pequena cidade de Collegedale, no estado do Tennessee, na porção sudeste dos Estados Unidos (EUA). Outros membros da família também foram afetados, sendo que os Cooper costumavam participar da comunidade religiosa por mais de 60 anos.

[img align=left width=300]http://images.christianpost.com/portugues/middle/56223/kat-linda-krista-cooper.jpg[/img]Kat é detetive e com sua atuação na polícia local conseguiu fazer com que Collegedale fosse o primeiro município de seu estado a oferecer benefícios de saúde para os cônjuges de mesmo sexo no caso de funcionários do governo.

A igreja considerou errado o apoio que a mãe forneceu a filha durante o processo para obter seus direitos. Segurar a mão de Kat em uma reunião e abraços depois da resolução ser aprovada foram atitudes de Linda reprovados pela instituição, que pediu a retratação pública da mãe. Linda optou por não pedir desculpas e, junto com a família, foi então expulsa.

A companheira de Kat, Krista Cooper, comparou o fato com o comportamento de sua própria família, que a ignorou da vida deles por ela ser gay.

Ken Willis, ministro da Ridgedale Church of Christ, disse que o apoio de Linda era um endosso ao homossexualismo e que a igreja não pode tolerar esse tipo de estilo de vida de pecado.

O caso gerou polêmica na web norte-americana. Muitos fazem movimentos contra o ato da Ridgedale, principalmente os defensores das causas LGBT.

Um ministro de uma igreja em Denver, no Colorado, avalia que a falta de conhecimento bíblico da população em geral leva a esses posicionamentos contrários à igreja. Neal Pollard acredita que há uma visão distorcida da sociedade em relação à tolerância. Ele pede ajuda para a história do Tennessee: “Por favor, orem para Ridgedale. […] Os detratores são populares e validados por um mundo separado de Deus. Vamos ter a coragem de defender o povo de Deus, que está disposto a levantar-se para a Sua vontade”, disse ele em entrevista ao The Christian Post dos EUA.

[b]Fonte: The Christian Post[/b]