Sueli Ferreira de Moura, 42 anos, voltou a acorrentar-se, desta vez no Centro Integrado de Proteção à Criança e ao Adolescente na manhã desta segunda-feira (26).

Ela protesta contra a Igreja Universal do Reino de Deus pela lavagem cerebral feito no adolescente T.A.S.F.M, de 17 anos. O garoto era obreiro do templo, da Avenida Mato Grosso, em Campo Grande.

Da primeira vez Sueli se acorrentou por dois meses, em frente da igreja, na tentativa de reverter a dedicação do filho, apontada por ela como “fora do comum”. Agora a aposentada acusa conselho Tutelar, o Ministério Público por omissão no caso do garoto.

[b]Fonte: A Crítica – MS[/b]