O senador evangélico Magno Malta (PR-ES) comemorou em Plenário, nesta quarta-feira (23), a entrega de 3,2 mil álbuns de fotografias vinculados ao site de relacionamentos Orkut à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia . O senador avaliou o fato como histórico.

– Durante anos, a Espanha, o Reino Unido e a Inglaterra, países de primeiro mundo, têm tentado fazer o mesmo, sem conseguir. É tanto que essa CPI, no dia seguinte, foi manchete de todos os jornais do mundo – comentou.

De acordo com Magno Malta, os 3,2 mil álbuns estão cheios “de puro lixo, de pura indignidade, de pura lama, de crime cometidos contra crianças, de lesões morais, de lesões emocionais, de crimes cometidos contra a família”. Para o senador, “o Orkut se tornou o paraíso dos pedófilos”.

O representante capixaba afirmou que “os 200 a 300 pedófilos que vendem material e expõem crianças” estão sem dormir, e assim devem continuar, uma vez que a CPI irá “ao encalço deles onde eles estiverem”. O parlamentar disse estar muito indignado com o que tem visto como presidente da CPI, mas pede a Deus que não aja “movido pelo sentimento de ódio”.

– As coisas com que tenho convivido são de vomitar, de perder a noite, de olhar para as filhas pequenas e chorar. Imaginar que um cidadão desses pode cometer as mesmas lesões contra minha filha – desabafou.

Magno Malta contou a história da filha de um pastor aliciada após acessar um site de pedofilia disfarçado como um site de moda. A criança de oito anos, segundo ele, “passou a ter verdadeiras taras sexuais”.

– Fazem isso porque nós não temos leis. A única lei diz que é permitido acumular material pedófilo: se a pessoa não for pega manuseando o material, não cometeu crime nenhum – avaliou, comparando a referida lei ao exemplo de uma pessoa que pede uma arma emprestada para matar alguém, mas quem vai preso é quem a emprestou.

Falando em seguida, e em prantos, a senadora Patrícia Saboya (PDT-CE) leu notícias publicadas no jornal Diário do Nordeste sobre crianças estupradas e mortas. Disse que um dos casos, ocorrido com uma criança de três anos, a chocou muito por ser a idade que sua filha estava fazendo nesta quarta-feira (23).

– Peço perdão por estar chorando, mas não agüento mais falar nesse assunto – desculpou-se.

Comissão ouvirá denúncias de bispo de Marajó

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia, senador Magno Malta (PR-ES), anunciou que integrantes do colegiado e representantes da Polícia Federal irão à ilha de Marajó (PA) nesta quinta-feira (24) para ouvir as denúncias do bispo dom José Luiz Azcona Hermoso e de outros dois religiosos sobre exploração sexual de crianças e prática de pedofilia na região.

O bispo aponta o envolvimento de autoridades nos crimes. De acordo com Magno Malta, os religiosos têm sido ameaçados de morte por denunciarem a exploração sexual de meninos e meninas no Marajó.

– Não aceitaremos, nem nos acovardaremos frente a qualquer tipo de pressão – assegurou Magno Malta, ao manifestar apoio à atitude corajosa de dom Luiz Azcona. O senador fez o anúncio da visita a Marajó durante reunião da CPI da Pedofilia realizada nesta quarta-feira (23).

Fonte: Agência Senado