A presença das igrejas evangélicas em bairros da periferia de Cuiabá é ainda maior do que na região central ou entre a população de classe média. O bairro Jardim Florianópolis, localizado na região norte da cidade, uma das mais populosas da Capital, é um exemplo prático.

Lá, existem pelo menos seis igrejas de diferentes origens evangélicas, para uma população de pouco mais de 4 mil habitantes (IBGE, Censo 2000). Só da Assembléia de Deus, são dois templos presentes no bairro.

No vizinho Jardim Vitória, a situação é semelhante. Existem nove igrejas evangélicas diferentes. Conforme números levantados pelo IBGE, a quantidade de evangélicos em Mato Grosso subiu 617% entre 1991 e 2000 (últimos censos realizados pelo órgão). Em Cuiabá, existem 82.089 evangélicos entre todos os diferentes tipos de congregação.

Estimativas divulgadas pelo site do Serviço de Evangelização da América Latina (Sepal) apontam que, dentro de 16 anos, o número de evangélicos no Brasil alcançará 50% da população. Até o final deste ano, as expectativas são de 40 milhões em todo o país.

O pastor Rubens Siro de Souza, vice-presidente da igreja Assembléia de Deus em Mato Grosso, informa que cerca de 10 igrejas são abertas em Cuiabá por ano. “Cada bairro que surge, nós colocamos um templo”, acrescenta, informando ter a congregação aproximadamente 100 mil membros professos na Capital e região.

Cada templo aberto pela Assembléia de Deus é feito, de acordo com Souza, para receber 1,8 mil pessoas. As igrejas são todas construídas pela congregação, conforme o pastor, com a medida padrão de 525 metros quadrados, saindo pelo valor aproximado de R$ 135 mil.

“Quando começamos a construir um templo, na hora que inaugura já está apertado para a quantidade de gente programada”, avalia Souza, informando que, na maioria das vezes, as pessoas que passam a freqüentar o novo templo já iam a Assembléia de Deus em outros bairros.

Fonte: Diário de Cuiabá