Uma maioria muito expressiva de irlandeses católicos (87%) acha que os padres deveriam ter o direito de casar e constituir família.

O mesmo estudo indica que 60% dos inquiridos discorda da posição da Igreja sobre a homossexualidade.

Divulgado na quinta-feira pelo jornal “The Guardian”, o estudo realizado pela Associação de Padres Católicos, uma organização não oficial, conclui que nove em dez irlandeses católicos gostaria de ver os seus sacerdotes casados.

O inquérito, feito com base em mil católicos irlandeses, revelou outras opiniões interessantes, como o facto de haver grande vontade de ver a ordenação das mulheres, defendida por 77% dos inquiridos.

Mas foi a questão da homossexualidade que mais polémica gerou, com 60% das pessoas a manifestar a sua “forte discordância” com a rigidez da Igreja no que se refere a pessoas com orientação sexual não heterossexual. Apenas 9% concorda com o facto de a homossexualidade ser “imoral”, tal como é pregado pela Igreja.

Os escândalos que têm ligado a Igreja irlandesa à pedofilia terão influenciado os 55% de inquiridos que consideram que os bispos deveriam ter mandatos definidos e não até aos 75 anos, como acontece no presente.

[b]Fonte: Jornal de Notícias de Portugal[/b]