Debaixo do sol e com muito calor, cerca de 3 milhões de evangélicos participam nesta segunda-feira da Marcha para Jesus, na praça dos Heróis da Força Expedicionária Brasileira, na zona norte de São Paulo. Segundo estimativas da igreja Renascer, organizadora do evento, são esperadas 5 milhões de pessoas até o término da marcha.

Ao som de 36 bandas, os participantes da marcha dançam diversos ritmos, que vão desde o axé e pagode até o rock. Muitos usam sombrinhas para se protegerem do sol, outros aproveitam a sombra das árvores. Até o final da tarde, 88 já haviam sido atendidas no posto médico após passarem mal por conta do calor.

Segundo a balconista Solange Rodrigues, 57, a marcha é um momento de união, que traz paz e alegria. “O esforço [da caminhada] vale a pena, apesar do calor”.

Com um grupo de 70 jovens, Alexandre Fonseca, 22, veio de Valinhos na manhã de hoje e só vai embora quando o show acabar.

Além dos diversos jovens que participam da marcha o evento reúne muitas famílias acompanhadas de crianças, como é o caso de Gisele Santos, 21, que veio com a filha de quatro meses e do marido. Ela saiu de Osasco (na Grande SP) para participar do evento.

De acordo com a Polícia Militar, a caminhada até o local do show foi tranquila e não houve registros de incidentes. O evento reúne diversas igrejas evangélicas de várias denominações e, neste ano, tem como tema “Marchando para derrubar gigantes”.

A 17ª edição do evento acontece após o desabamento da sede da igreja Renascer, no Cambuci (centro de São Paulo), que deixou nove mortos em janeiro deste ano.

Fonte: Discriminação

O apóstolo Estevam Hernandes que a igreja evangélica no Brasil sofre discriminação e incompreensão. Após participar da Marcha para Jesus, em São Paulo, o apóstolo disse que os evangélicos devem marchar para derrubar os “gigantes da discriminação”.

“O maior gigante que a igreja brasileira tem de derrubar é o gigante da discriminação, da incompreensão e, principalmente, do estereótipo que lamentavelmente a sociedade como um todo crê naquilo que não é verdadeiro”, afirmou Estevam, em entrevista coletiva, após ser questionado sobre o tema do evento neste ano: “Marchando para derrubar gigantes”.

Na entrevista, Estevam fez questão de afirmar que responderia a perguntas somente sobre a marcha. Sônia não participou da coletiva.

Perguntado sobre as críticas que alguns evangélicos fizeram, durante a marcha, a emissoras de TV que divulgaram reportagens sobre às supostas irregularidades da igreja, Estevam disse que “não ouviu nada” e que os “gigantes da igreja são espirituais”.

Marcha

A marcha começou por volta das 10h, na avenida Tiradentes, na zona norte, com a participação de 250 mil pessoas. A caminhada seguiu pela avenida Santos Dumont, ponte das Bandeiras, praça Campo de Bagatelle e terminou na praça dos Heróis da Força da Força Expedicionária Brasileira, onde foi montado um palco para a apresentação de diversas bandas. O evento deve terminar às 20h.

Fonte: Folha Online