Cerca de 500 pessoas se manifestaram nesta sexta-feira, 12, em Paris, contra a visita do papa Bento XVI à França. Os protestos foram convocados por associações que defendem diversas causas.

Os organizadores da passeata pediram que a igreja “não se meta na política” e reivindicaram o acesso livre e gratuito a contraceptivos e ao aborto.

A manifestação terminou simbolicamente perto da sede do organismo encarregado de planejamento familiar.

O pontífice chegou a Paris em sua primeira visita à França desde que sucedeu a João Paulo II, e que o levará também ao santuário mariano de Lourdes (sudoeste do país), por ocasião da comemoração do 150º aniversário das supostas aparições de Maria a Bernadette Soubirous.

Papa pede fim da idolatria e critica cobiça e amor ao dinheiro

O papa Bento XVI pediu hoje em Paris que a sociedade “fuja” dos ídolos, e denunciou que a cobiça insaciável é uma idolatria e o amor ao dinheiro “a raiz de todos os males”.

Os comentários do pontífice aconteceram na homilia da missa que ele celebra na Esplanada dos Inválidos, na capital francesa, que é assistida por mais de 200 mil fiéis.

O bispo de Roma acrescentou que a idolatria é “uma falta grave, um escândalo e uma peste”, e que o afã “de ter dinheiro e poder” desvia o homem de seu verdadeiro fim.

Bento XVI ressaltou que a razão não está em contradição com a fé, mas advertiu que o que “desencaminha” o homem dessa perspectiva é o culto aos ídolos, “e a própria razão pode fabricá-los”.

Com esta missa, o papa conclui sua estadia em Paris. Na tarde de hoje, Bento XVI viajará ao santuário de Lourdes (sudoeste), para as celebrações do 150º aniversário das aparições de Nossa Senhora a Bernadette Soubirous.

Papa Bento XVI diz que nada justifica o anti-semitismo

O papa Bento XVI se reuniu nesta sexta-feira em Paris com representantes da comunidade judaica francesa, aos quais disse que a Igreja se opõe a qualquer forma de anti-semitismo – ideologia para a qual, segundo ele, não existe qualquer justificativa teológica aceitável.

O pontífice se reuniu com representantes da comunidade judaica na sede da Nunciatura (embaixada do Vaticano), local no qual está hospedado durante sua estada em Paris e o encontro contou com a presença do Grão Rabino da França, Joseph Sitruk, e de outras 18 pessoas.

O encontro, que contou com a presença do cardeal de Paris, Andre Vingt-Trois, aconteceu na guarda da realização semanal do sabá, o que foi ressaltado pelo papa, que defendeu o “fortalecimento” das relações com os judeus e um melhor conhecimento mútuo.

Bento XVI lembrou as palavras do papa Pio XI, que afirmou em 1938 que “espiritualmente todos são semitas” e que acrescentou que “novamente sente o dever de prestar homenagem a todos aqueles que morreram injustamente e a todos aqueles que trabalharam para que os nomes das vítimas sigam na lembrança e não sejam esquecidos”.

Fonte: Estadão e EFE