O deputado federal Jean Wyllys defende mudanças na Constituição Brasileira em favor do casamento civil homossexual.

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) foi retratado em matéria do jornal britânico The Guardian como uma figura quixotesca na luta pelos direitos homossexuais contra uma “legião de pregadores evangélicos diretos e radicais”.

[img align=left width=300]http://images.christianpost.com/portugues/middle/1807/jean-wyllys.jpg[/img]“As mãos de Malafaia e outros pastores estão cobertas de sangue: o sangue de homossexuais que no Brasil morrem vítimas da homofobia”, disse ele à publicação.

A matéria conta a história do político que teve uma infância pobre e uma educação católica. Em Salvador, Wyllys iniciou sua carreira como jornalista e logo depois mudou-se para o Rio de Janeiro.

Em 2005, ele participou da oitava edição do reality show Big Brother Brasil, vencendo o programa com cerca de 50 mil votos populares.

Os momentos de fama do jornalista o levaram a eleger-se deputado federal pelo partido socialista e desde então começou sua sistemática e incansável luta pelos direitos homossexuais.

Wyllys defende ferozmente que mudanças sejam feitas na Constituição Brasileira em favor do casamento civil homossexual. Ele ainda acredita que sua presença no congresso pode abrir portas para outros políticos gays.

O deputado é o primeiro assumidamente gay no Brasil e foi eleito pela revista IstoÉ como uma das 100 pessoas mais influentes da atualidade, ao lado do dirigente coreano Kim Jong-un, o técnico do Barcelona Pep Guardiola, a presidente Dilma Rousseff, e do Barack Obama.

“Em 2012 terei mais influência que qualquer outra pessoa na luta contra a homofobia”, discursa o ex-BBB.

A batalha pública entre o deputado pró-gay e o televangelista pastor Silas Malafaia, que se auto-intitula o “inimigo número 1 do movimento gay” no Brasil ganhou destaque.

Segundo o líder religioso, em uma de suas recentes respostas a Wyllys, os homossexuais querem silenciar e criminalizar sua opinião.

Também recentemente, o deputado federal defendeu a opinião de que os pastores que possuem programas televisivos não devem “demonizar e desumanizar uma comunidade inteira, como é a comunidade homossexual”.

Afirmou, por outro lado, que os religiosos são livres para dizer no púlpito em suas igrejas que a homossexualidade é pecado.

[b]Escolha X genética
[/b]
A batalha de ativistas gays está longe de acabar. Enquanto muitos cristãos acreditam que os homossexuais podem ser ‘libertos do vício’ da homossexualidade, estes, por sua vez, insistem na tese de que não se trata de uma opção, caracterizando a sexualidade como fator genético.

“(A opinião dos religiosos) é um equívoco, pois significa desconhecer uma série de ‘conquistas’ que a ciência já fez no sentido de mostrar que nós não optamos por isso”, disse Jean Wyllys em recente entrevista.

A geneticista Mayana Zatz disse recentemente em entrevista à Veja que ainda não foram identificados os muitos genes que poderiam determinar a homossexualidade.

Segundo ela, é possível que exista uma “herança multifatorial”, onde vários genes poderiam interagir com o ambiente para determinar uma característica.

A questão ainda não é conclusiva e pode vir a ser esclarecida no futuro, com os avanços nas pesquisas e na tecnologia.

[b]Fonte: The Christian Post[/b]