Em parecer enviado ao Tribunal Superior Eleitoral, o vice-procurador-geral Eleitoral, Nicolao Dino, defende que o atual prefeito do Rio, Marcelo Crivella, seja declarado inelegível por abuso de poder religioso nas eleições de 2014, quando se candidatou ao governo do Estado.

[img align=left width=300]http://diariodorio.com/wp-content/uploads/2017/03/Marcelo-Crivella-2.jpg[/img]O político, que é bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, é acusado pelo Ministério Público Eleitoral de ter utilizado a estrutura da igreja no município de Duque de Caxias, como comitê eleitoral, para a captação de votos naquela campanha, o que é proibido pela legislação eleitoral.

O vice-procurador-geral Eleitoral defende ainda que o pastor William Belo Campos se torne inelegível por ter permitido a utilização do templo para promover a candidatura de Crivella. Após o TRE ter afastado a inelegibilidade num primeiro julgamento, a Procuradoria Regional Eleitoral no Rio de Janeiro pediu uma nova avaliação.

[b]Fonte: Estadão[/b]