Música gospel em ritmos diferenciados, famílias inteiras nas ruas, e um tom crítico em relação aos problemas da cidade dominaram a Marcha para Jesus realizada em Campo Grande nesta sexta-feira de feriado.

O evento, que está em sua 11ª edição na cidade, levou para as ruas evangélicos de 200 denominações religiosas distintas, segundo os organizadores.

O público estimado é de 25 mil pessoas, entre elas o prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho (PMDB), e também representantes dos deputados estaduais e vereadores. Os participantes da Marcha se concentraram na Praça Ari Coelho, de onde saíram para uma caminhada pela principal rua campo-grandense, a avenida Afonso Pena.

No caminho, pararam em hospitais, onde pediram bênçãos, após lembrar os problemas da saúde em Campo Grande. Em frente à prefeitura de Campo Grande, foi feito uma espécie de círculo e novamente uma oração pedindo proteção divina e conclamando os servidores a darem à população atendimento de qualidade.

Para quem participa da marcha, é um dia de fé que melhora o resto do ano, como definiu o estudante Rafael Vieira, de 17 anos, que participa do evento religioso pelo segundo ano consecutivo. “É para Jesus e é bom para abençoar a cidade”, afirmou.

Famílias inteiras também se incluíam entre os presentes, exemplo do pastor Jean Franco. Ele estava com a esposa e as três filhas, de 11, 9 e 7 anos. Franco já é uma espécie de recordista em presença na Marcha para Jesus. Das 11 já realizadas em Campo Grande, esteve em todas.

A dona de casa Nereida de Freita Tanus, 57 anos, está em sua segunda participação. Contou que estava no prédio da irmã, que fica na Afonso Pena, e não resistiu à movimentação. Desceu e não esqueceu de levar o cachorro, um poodle, para também ser abençoado na manifestação religiosa. Emociana, definiu com uma palavra a reunião de tantos evangélicos em passeata: “Um luxo”.

A celebração vai terminar com um show do cantor Gospel Kleber Lucas, na Praça do Rádio Clube.

A Marcha para Jesus é realizada em todo o País. Nos outros estados, foi feita no dia 23 de maio, quando foi feriado por causa do dia de Corpus Christi, dada da Igreja Católica. Em Campo Grande, o evento coincide com outro feriado católico, em homenagem a Santo Antônio.

Fonte: Campo Grande News