Neste sábado, sob um calor de 32ºC, membros de igrejas evangélicas e católicas de Campinas realizaram a Marcha para Jesus 2007, com o apoio da Secretaria de Cultura, da Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas (Emdec) e de sete trios elétricos.

Segundo os organizadores, a expectativa era de superar o número de participantes de 2002, quando reuniram 5 mil pessoas. A Emdec montou um esquema especial com 12 agentes de trânsito e 10 de transporte, que a partir das 12 horas bloquearam a rua Castro Alves, no Jardim Nossa Senhora Auxiliadora, atrás do colégio Liceu Salesiano, onde os participantes da caminhada se concentraram. A marcha seguiu pelas avenidas Barão de Itapura, Dr. Heitor Penteado e Rua Vital Brasil, chegando à Praça Arautos da Paz, local do Festival de Música Gospel com 22 bandas gospel, que se apresentaram até às 22h.

De acordo com James Matson Eloy, pastor da Igreja do Nazareno do Jardim do Lago, uma das igrejas organizadoras do evento, os evangélicos representam 8% da população campineira, cinco mil deles compareceram à 4ª edição da Marcha para Jesus realizada em 2002.

O último evento do gênero promovido em Campinas contou com a participação de Doroty Candido, 52 anos, e que há 39 anos é convertida ao evangelismo e hoje freqüenta a Igreja de Campinas que fica no São Bernardo. Doroty acredita que a marcha contribui para a conversão e a união entre os cristãos. “Várias caravanas católicas estão participando porque nosso Deus é um só”, garante.

Com a filha de oito meses no colo, Gislaine Prado de Almeida, 24 anos, veio do Jardim Santana até o Taquaral para marchar por Jesus. Convertida há três anos na Igreja Batista Vida Nova esta foi sua primeira experiência em um evento que misturou caminhada, música, celebração e oração. O principal propósito da marcha, segundo ela, é “restaurar a nação”. Ela deixará a filha em casa na companhia da avó, para voltar mais tarde e assistir a banda “Diante do Trono”.

Atenta à movimentação que descia à Avenida Barão de Itapura, onde mora desde 1969, Ana Maria Liserre, achou a caminhada emocionante. Aprovou totalmente o evento e até sugeriu que fosse várias edições ao ano, principalmente pela adesão de jovens que danças e cantavam músicas evangélicas. “É importante difundir a mensagem de Jesus para esse pais tão necessitado”, defende.

Fonte: Cosmo