[img align=left width=300]https://static.noticiasaominuto.com.br/stockimages/1370×587/naom_574837f4df8da.jpg[/img]

O Conselho Superior de Ulemas, a mais alta autoridade religiosa do Marrocos, anunciou que os fiéis que se converterem a uma religião diferente do Islamismo não serão mais condenados à pena de morte, informou o site marroquino “Morocco World News”.

Segundo a publicação, de acordo com as regras em vigor em todos os países muçulmanos, não era permitido que nenhum cidadão mudasse de crença religiosa. No entanto, a nova medida foi definida pelo Conselho “não como uma questão religiosa, mas como um postura política mais alinhada com a alta traição”.

“O entendimento mais preciso e o mais consistente com a legislação islâmica e a maneira prática do Profeta”, diz a fatwa, pronunciamento legal sempre emitido por um jurista religioso (o mufiti) em países islâmicos.

O islamismo é uma religião regida pelo Alcorão, livro sagrado que contém textos revelados ao profeta Maomé, e que tem Alá como Deus.

[b]Fonte: Notícias ao Minuto[/b]