Apesar de funcionar agora sob intervenção em Angola, a Igreja Universal do Reino de Deus garantiu um monopólio entre as igrejas neopentecostais brasileiras no país.

O porta-voz do MPLA, Rui Falcão, disse à Folha que as “dissidências” não obterão reconhecimento do Estado.

O governo do presidente José Eduardo dos Santos é visto como muito próximo da Universal, cuja TV Record tem grande força no país. O fato de apenas a Universal ter permissão para voltar a funcionar é visto como uma manobra para restringir a concorrência de outras igrejas brasileiras no país.

“Angola é terreno fértil para a Universal, que tem lá TV, jornal, templos e conexões políticas, e por isso deve ter conseguido essa ‘reserva de mercado'”, diz Ricardo Mariano, sociólogo da PUC-RS.

“Com referência à retomada de nossas atividades e às normas de funcionamento impostas pelo governo de Angola, informamos que a Universal respeita as decisões das autoridades de Estado”, disse a Universal à Folha. A igreja tem 230 templos e 500 mil fiéis em Angola.

Segundo o deputado José Olímpio (PP-SP), da Igreja Mundial do Poder de Deus, a igreja enviou advogados a Angola. “Estamos tentando legalizar a igreja, mas o processo é moroso”, disse ele. “Todos os nossos templos estão fechados e não podemos realizar os cultos.” A Mundial, do apóstolo Valdemiro Santiago, é uma dissidência da Universal e funcionava em Angola havia dois anos com autorização provisória. A igreja tem 30 templos e cerca de 70 mil fieis no país.

[b]Fonte: Folha.com
[/b]
Notícia relacionada: [url=http://folhagospel.com/modules/news/article.php?storyid=25260]Governo de Angola proíbe operação de igrejas evangélicas brasileiras[/url]