Quinze membros da Ordem Hospitaleira de São João de Deus da Igreja Católica foram declarados suspeitos de pedofilia em uma investigação parlamentar na Austrália.

Representantes da ordem testemunharam na comissão do Parlamento do estado de Victoria, no sudoeste do país, que investiga os casos de pedofilia denunciados na Igreja Católica entre 1940 e 1980, segundo a rede ABC.

A ordem, conhecida como os “joaninos”, presta serviços a crianças incapacitadas e com problemas de aprendizagem na Austrália.

Um dos irmãos da ordem, Tim Graham, esclareceu perante a comissão investigadora que a primeira queixa por abuso sexual foi apresentada em 1993, mas que até o momento a Polícia não apresentou acusações contra os supostos agressores.

Graham expressou seu horror perante as acusações e admitiu que se cometeu dentro da ordem dos “joaninos” um erro sistemático na apuração e em determinar a responsabilidade dos supostos delitos cometidos principalmente nas décadas de 1960 e 1970.

“Há 31 casos e um caso já é suficientemente ruim”, disse o religioso em referência ao número de agressões sexuais que estão sendo investigadas pela Polícia.

Assegurou que a ordem está investigando as queixas e negou que exista uma rede de pedófilos na ordem de São João, que teve um total de 60 religiosos entre os anos de 1940 e 1980.

Em 2002, a Ordem Hospitaleira de São João de Deus, que opera na Espanha e vários países latino-americanos, pagou cerca de US$ 3,7 milhões a 24 pessoas que supostamente sofreram abusos sexuais por parte de seus integrantes.

[b]Fonte: Terra[/b]