Ao menos 15 membros de uma igreja protestante clandestina da China foram detidos quando tentavam celebrar um culto ao ar livre, no último incidente de uma série na qual a polícia já deteve mais de 200 de seus fiéis em menos de um mês, informou nesta segunda-feira a imprensa local.

Os membros da igreja de Shouwang, que tem cerca de 1.000 seguidores, estavam em uma praça de uma área comercial de Pequim, na qual havia uma forte presença policial como a cada domingo desde o dia 10 de abril, quando foram detidos ali 169 fiéis, informou o jornal independente “South China Morning Post”.

As autoridades chinesas estão há semanas evitando que esta igreja oficie serviços religiosos em público.

Alguns dos cristãos detidos em algumas ocasiões anteriores assinalaram que a Polícia lhes permitiu rezar e cantar enquanto estavam detidos, mas também lhes pressionou para que assinassem declarações nas quais prometiam não voltar a celebrar um culto na rua.

A igreja perdeu o lugar onde realizava seus ritos quando as autoridades locais forçaram seu senhorio a despejá-los e impediram que se mudassem para um escritório comprado pela igreja em 2009.

A China é um Estado aconfessional que reconhece religiões, entre elas a cristã, mas só em grupos oficiais controladas pelo Partido Comunista da China (PCCh), no poder desde 1949.

[b]Fonte: Folha Online[/b]