O presidente da Igreja Metodista no Uruguai (IMU), pastor Oscar Bolioli, apresentou, em carta dirigida aos membros, igrejas irmãs, amigos e agências, um balanço do ano de trabalho indicando resultados favoráveis em termos de serviço, mas apontando para uma severa crise financeira, situação que aflige outras comunidades protestantes no Rio da Prata.

Na carta, Bolioli identifica os muitos sinais da proximidade de Deus em relação à IMU em 2006. Dentre os sinais dessa presença, ele assinala a abertura de comunidades de fé em Calpica (Artigas) e em Colonia Nicolich (Canelones); o fortalecimento do trabalho em Bella Unión, Paysandú, Trinidad, La Aguada e La Teja; o crescimento em número de membros; o reingresso da juventude às igrejas; e a nova experiência de compartilhar a celebração da fé com moradores de rua.

Na coluna do “passivo” do ano que chega ao fim, a IMU coloca o novo sistema impositivo e salarial do Uruguai, que criou gastos não esperados; a cotação do dólar no país, “muito abaixo do esperado”, e a necessária redução, por estas mesmas causas, do número de pastores e pessoal da igreja ao limite do possível.

A carta faz um chamado para que aqueles que possam colaborar com o ministério da IMU prestem ajuda econômica e façam suas orações. “Estamos precisando de suas orações e também do apoio de todos vocês para que nestes momentos tão difíceis para a nossa Igreja possamos encontrar outros caminhos e formas de continuar com o nosso ministério”, assinala.

Fonte: ALC