A Igreja Metodista do Brasil instituiu o Grupo de Trabalho que vai assessorar o Colégio Episcopal sobre ecumenismo. A implantação desse grupo assessor atende decisão do 18. Concílio Geral, reunido no ano passado, o mesmo que determinou a retirada dos metodistas de organismos ecumênicos que tivessem a presença da Igreja Católica.

O Grupo de Trabalho sobre Ecumenismo tem sete integrantes e será coordenador pelo bispo Roberto Alves de Souza. Além do bispo, fazem parte do grupo a pastora Amélia Tavares Correia Neves, os pastores José Carlos Peres, Marcello José Pimenta Fraga, Marco Antonio dos Santos, Paulo Dias Nogueira, e a professora de Teologia, Magali Cunha Nascimento.

A constituição do grupo foi comunicada aos seus integrantes pelo secretário executivo do Colégio Episcopal, bispo Stanley da Silva Moraes. Na carta que enviou aos convocados, na segunda-feira, 18, Moraes destaca que o 18. Concílio Geral “tomou uma decisão restritiva em torno de um aspecto institucional, em relação às instituições ecumênicas de igrejas, o que não altera a ecumenicidade da Igreja”.

O Grupo de Trabalho sobre Ecumenismo terá a incumbência de analisar bíblica, teológica e pastoralmente as conseqüências da decisão conciliar do ano passado, para esclarecer à Igreja e à sociedade as implicações daquela medida conciliar e estabelecer caminhos e condições para que a Igreja Metodista possa cumprir o pedido de Jesus “para que todos sejam um”.

Fonte: ALC