A primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, deu sua opinião a respeito dos problemas que Justin Bieber tem passado recentemente, aconselhando para que o jovem cantor esteja mais próximo de sua família se quiser resgatar sua vida.

Para a primeira-dama, em entrevista recente dada à rádio Univision, ao ser questionada se Justin fosse seu filho, ela diz que investiria em mais amor e atenção, pois seria o melhor remédio para descobrir o que leva o popstar a se envolver com situações tão difíceis.

[img align=left width=300]http://images.christianpost.com/portugues/middle/1366/michelle-obama.jpg[/img]”Eu ficaria mais presente em sua vida agora. E eu provavelmente estaria com ele em uma boa parte do tempo, para poder conversar e descobrir o que está acontecendo em sua cabeça, além de desvendar quem realmente está em sua vida e quem não está”, afirmou ela ao radialista Enrique Santos.

Mãe de duas filhas Natasha, de 15 anos, e Malia Ann, de 13 anos, Michelle Obama aponta que o momento de Justin é um problema que poderia ser vivido por qualquer família, e por conta disso é necessário se fazer presente, para orientar.

“Eu acho que isso poderia acontecer com um dos meus filhos. E eles apenas querem que nós estejamos por perto, eles querem um conselho que venha de algum parente. Eles querem que você ofereça uma base diária, pois ainda são muito jovens. Ele (Justin) ainda está crescendo. Por isso, eu iria puxá-lo mais para perto”, resume.

Durante o mês de janeiro, Justin Bieber foi detido pela polícia por dirigir embriagado e resistir à prisão. O caso gerou enorme controvérsia e levou Scooter Braun, empresário de Bieber à declarar pelo Twitter que os pais do cantor estão lhe oferecendo todo o apoio necessário.

“Para todos aqueles que estão reclamando, saibam que Jeremy Bieber (pai de Justin) e Pattie Mallette (mãe de Justin) amam seu filho. Parem de julgar uma situação que vocês não entendem”, declarou Braun, pedindo também para as pessoas “serem gentis e esperarem o melhor das pessoas, não o pior”, destacou.

[b]Fonte: The Christian Post[/b]