Milhares de palestinos marcharam na Faixa de Gaza nesta sexta-feira para protestar contra comentários feitos pelo papa Bento 16 sobre o Islã. Líderes locais criticaram o sumo pontífice e cobraram dele desculpas para todos os muçulmanos.

Em um discurso na Alemanha na terça-feira, o papa pareceu dar suporte a uma visão cristã, contestada pela maioria dos islâmicos, de que os primeiros muçulmanos disseminaram sua fé por meio da violência.

“Essa é uma outra Cruzada contra o mundo Árabe e Muçulmano”, disse Ismail Radwan, uma autoridade do Hamas, ao falar a 5.000 manifestantes que gritavam palavras de ordem e balançavam bandeiras em Gaza.

O deputado cristão independente Hussam al-Taweel também condenou os comentários do líder católico no protesto.

“Nós condenamos os comentários feitos pelo papa e condenamos todas as declarações que prejudiquem o Islã ou danifiquem as relações com os muçulmanos”, afirmou.

Em Gaza vivem cerca de 3 mil cristãos entre os mais de 1,4 milhão de muçulmanos.

O Vaticano emitiu um comunicado para dizer que o papa não queria ofender o Islã.

“O papa deve reavaliar as suas declarações e deve parar de ofender a religião muçulmana”, disse o primeiro-ministro palestino, Ismail Haniyeh.

Fonte: Reuters