Grupos defensores dos direitos gays e jornais criticaram, nesta terça-feira, o Vaticano pela decisão de se opor à proposta de resolução da ONU (Organização das Nações Unidas) que insta os governos de todo o mundo a descriminalizar a homossexualidade.

Essa reação aconteceu depois de o observador permanente do Vaticano na ONU, arcebispo Celestino Migliore, anunciou a decisão de se opor à resolução proposta pela França em uma agência de notícias católica francesa.

Migliore disse que a resolução iria “acrescentar novas categorias àquelas protegidas da discriminação” e poderia levar à discriminação contra o casamento tradicional heterossexual. “Se adotadas, elas criariam novas e implacáveis discriminações.” “Por exemplo, Estados que não reconhecem uniões do mesmo sexo como “matrimônio’ serão punidos e colocados sob pressão”, concluiu Migliore.

Repercussão

O editorial do jornal italiano “La Stampa” desta terça-feira disse que a argumentação do Vaticano era “grotesca”. Assinalando que a homossexualidade ainda é punível com a morte em alguns países islâmicos, o editorial disse que o Vaticano temia na verdade uma “reação em cadeia em favor de uniões homossexuais reconhecidas em países, como a Itália, onde não há legislação sobre o assunto”.

Franco Grillini, fundador e presidente honorário da Arcigay, principal grupo italiano de direitos gays, disse que os argumentos são indício de “idiotice total e loucura”. “A resolução francesa, apoiada por todos os 27 países da União Européia, não tem nada a ver com casamento gay. Ela é sobre o fim das prisões e da pena de morte para homossexuais”, disse Grillini.

O jornal esquerdista de Roma, “La Repubblica”, disse que os argumentos do Vaticano deixam qualquer um “sem palavras”. Margherita Boniver, líder do esquerdista Partido Democrático, chamou a posição da Santa Sé de “alarmantemente anacrônica”. Grillini, o ativista dos direitos dos gays, disse que temia outra “Santa Aliança” entre o Vaticano e Estados islâmicos nas Nações Unidas para se opor à resolução.

Essa resolução será apresentada pela secretária de Estado da França para os Direitos Humanos, Rama Yade, ainda neste mês. Grupos de direitos humanos argumentam que a homossexualidade ainda é punível pelas leis em mais de 85 países e pode levar à pena de morte em outros, como Afeganistão, Irã, Arábia Saudita, Sudão e Iêmen.

Maioria

O porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, disse que “ninguém quer pena de morte ou prisão para homossexuais”, mas defendeu Migliore, acrescentando que o Vaticano estava com a maioria neste assunto. “Não foi sem motivos que menos de 50 Estados-membros das Nações Unidas aderiram à proposta em questão, enquanto mais de 50 países não aderiram. A Santa Sé não está sozinha”, disse Lombardi.

Na conferência da ONU sobre a Família, em 2004 no Cairo, o Vaticano uniu-se a países islâmicos e da América Latina para derrotar uma proposta sobre o direito ao aborto.

A Igreja Católica faz distinção entre atos homossexuais, considerados pecados graves, e tendências homossexuais, vistas como uma provação para quem as possui. Em outubro, ao apoiar a realização de testes para detectar tendências homossexuais em candidatos ao sacerdócio, o cardeal polonês Zenon Grocholewski, prefeito da Congregação para a Educação Católica, do Vaticano, disse que a homossexualidade é “um desvio, uma irregularidade, e uma ferida”.

Fonte: Folha Online