O Comitê Técnico de Cultura de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT), vinculado ao Ministério da Cultura, deixou de ter caráter temporário e, a partir de outubro, passa a ser uma instância permanente. O objetivo é fazer análise e monitoramento das políticas culturais voltadas para o público LGBT. A portaria sobre a instalação do comitê foi publicada, nesta quinta-feira (1º), no Diário Oficial da União.

O MinC informou que a composição do comitê foi ampliada. Em breve, será lançada uma chamada pública para os interessados na seleção, com duas vagas para acadêmicos e pesquisadores que tenham a cultura LGBT como foco de estudo.

O comitê será composto por dois representantes da Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do MinC, que coordenará o comitê, e um representante para cada uma das secretarias do Minc: Executiva, de Políticas Culturais, de Articulação Institucional, de Economia Criativa e do Audiovisual. Também integrarão o comitê um representante da Fundação Nacional de Artes e um da Fundação Cultural Palmares.

Serão convidados representantes das secretarias de Direitos Humanos, de Políticas de Promoção de Igualdade Racial, de Políticas para as Mulheres e Secretaria Nacional de Juventude, todas da Presidência da República. Também receberão um convite a Frente Parlamentar Mista pela Cidadania de LGBT; os fóruns nacionais de Secretários Municipais e Estaduais e Distrital de Cultura e de Gestores LGBT; e os conselhos nacionais de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos Humanos de LGBT, de Política Cultural, da Juventude, de Políticas de Igualdade Racial e dos Direitos da Mulher.

Entre as atribuições dos comitês estão a apresentação subsídios para apoiar a implementação de políticas culturais voltadas para a população LGBT e grupos da diversidade sexual, diretrizes, ações e estratégias de atuação para o fomento, reconhecimento, valorização, intercâmbio e difusão das produções, manifestações e expressões artísticas e culturais de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e demais grupos da diversidade sexual, que tenham como foco principal a promoção dos direitos humanos dessa população e o combate ao preconceito, à homofobia, lesbofobia e transfobia.

O comitê também deverá acompanhar e monitorar as ações do MinC que focam a população LGBT ou tratem de questões relativas à diversidade sexual, considerando sempre os recortes geracional, raça/cor, povos e comunidades tradicionais, regionalidade e pessoas com deficiência; e articular e mobilizar o movimento LGBT e outros possíveis parceiros a fim de ampliar e divulgar as ações e políticas culturais LGBT.

[b]Mídia tendenciosa[/b]

Enquanto os holofotes parecem estar todos focados nos sucessivos escândalos de corrupção envolvendo petistas, sua militância continua trabalhando de diferentes maneiras para consolidar seu projeto de poder.

A grande mídia do país não deu destaque e silenciou sobre esta iniciativa, mas o assunto tem sido divulgado e bastante comentado nas redes sociais. Vários movimentos de ativistas LGBT estão comemorando o que consideram uma vitória.

[b]Fonte: Portal Brasil[/b]