O Ministério Público Estadual de São Paulo e polícia começaram a investigar a empresa Mário Morales Navarro Construtora por ação fraudulenta em obras de cinco cidades da região de Rio Preto.

A empresa, em nome de um “laranja”, faturou pelo menos R$ 1,2 milhão em oito obras financiadas com recursos estaduais contratadas entre 2009 e 2010.

A promotoria do caso suspeita que a licitação tenha sido fraudada para favorecer a Navarro e outras duas empresas de Fabrício Marcolino ex-vereador de Nhandeara, e de seu sócio, José Luís Andreossi. Marcolino é acusado de atuar como lobista de emendas entre o ex-deputado José Antônio Bruno (DEM), o Zé Bruno, e prefeitos do interior do estado.

De acordo com as investigações uma das empresas, a FMM Construtora, está em nome de um filho de Marcolino, de apenas dois anos de idade, e tem como endereço a residência do engenheiro José Luís Andreossi, sócio do ex-vereador na Andreossi Construções e Empreendimentos Ltda. A outra construtora foi registrada no nome de um funcionário de Andreossi, o lavrador Mário Morales Navarro.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo as investigações do Ministério Público mostram que a obra da cobertura de um ginásio construído em Nhandeara, no valor de R$ 100 mil, feita pela FMM, foi bancada por recursos de emenda apresentada por Zé Bruno em 2010.

Em 2009, a Navarro Construtora foi responsável pela obra de construção de um galpão em Nova Aliança, que também foi realizada com recursos de uma emenda de Zé Bruno, essa no valor de R$ 140 mil.

[b]Fonte: Gospel+[/b]