A ministra da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Nilcéa Freire, disse que em 2009 irá trabalhar para que o Ministério da Saúde amplie os serviços para a realização de abortos legais.

“Ano que vem vamos entrar com muita força lá no Ministério da Saúde na ampliação dos serviços de atendimento às mulheres vítimas de violência sexual e nos serviços para a realização do abortamento legal”, afirmou em entrevista ao JB Online.

Nilcéa ainda criticou a proposta de criação da CPI do Aborto. Para ela, os deputados têm todo o direito de serem conservadores, mas não podem impor suas convicções para a sociedade e fazer delas políticas de Estado.

“Nos parece mais um processo inquisitório de criminalização das mulheres do que verdadeiramente a vontade de colocar em pauta essa discussão sobre aborto de uma maneira desapaixonada, racional que prejudica a tantas mulheres no nosso país. A CPI é inadequada, anacrônica e não terá resultados que possa beneficiar ninguém”, concluiu.

Fonte: JB Online