Algumas ordens missionárias – entre as quais algumas provenientes da África e da Ásia – foram chamadas na Grã-Bretanha para ajudar a Igreja Anglicana a combater a dramática queda do número de fieis e o crescente desinteresse nos conflitos da religião.

Segundo um relatório que ainda deverá ser discutido, paróquias e dioceses poderão contar com a ajuda de um missionário. No caso de o missionário em questão ser um sacerdote consagrado poderá instalar o pároco local em todas as suas instalações, celebrando até mesmo a comunhão. Os missionários espalhados pelo território deverão prestar contas ao bispo.

Além de “promover ou avançar a missão da Igreja”, a iniciativa tem também uma validade na ótica dos atuais contrastes entre anglicanos e evangélicos – com uma posição muito dura no debate sobre a homossexualidade – e anglicanos liberais.

Graças às missões, um bispo poderá reforçar seu controle sobre uma diocese liberal enviando missionários evangélicos, como um bispo liberal poderá fazer em uma diocese mais tradicional.

As tensões sobre o tema da homossexualidade continuam a colocar a Igreja Anglicana em uma divisão. Na próxima semana o arcebispo de Canterbury Rowan Williams tentará evitar uma cisão formal em uma reunião em Tanzânia.

Fonte: ANSA