Extremistas anticristãos atacaram os missionários da Gospel for Asia (GFA) Rujul Mahish e Kirti Shyam, perto da fronteira entre a Índia e Paquistão, no domingo retrasado.

Rujul e Kirti iam para uma reunião quando um grupo de oito pessoas abordou o ônibus em que eles estavam. Eles entraram no veículo, arrastaram os dois missionários para fora e começaram a espancá-los.

Em seguida, os missionários foram levados até um templo, onde foram mais uma vez agredidos. Depois disso, o líder do templo ordenou que os extremistas atirassem neles para matar até o pôr do sol.

Entretanto, em vez de escutar o líder, os extremistas levaram missionários à força até uma clínica médica onde a mídia os aguardava.

Admissão de culpa

O grupo então mostrou todos os pertences dos evangélicos e tentou forçá-los a admitir na frente das câmeras que eles tinham convertido pessoas ao cristianismo e pago a elas por isso.

Quando os dois missionários discordaram, foram agredidos de tal maneira que Kirti ficou com os olhos roxos. Por fim, os missionários não agüentaram os açoites, e acataram as falsas acusações.

Depois, os dois evangelistas foram levados pelos extremistas à delegacia. No caminho, Rujul e Kirti falaram de Cristo. Os extremistas então os ridicularizaram e pediram aos dois para que Jesus os livrasse dessa situação e convertesse mais pessoas ao cristianismo.

Ao chegarem à delegacia, os missionários ficaram detidos sob custódia da polícia. Ao tomarem conhecimento da situação, os líderes da GFA imediatamente foram até a delegacia.

No caminho, eles encontraram um líder da vila que os ajudou. Desse modo, os evangélicos não sofreram denúncia e tiveram seus pertences devolvidos pelos próprios agressores.

Os líderes da GFA pedem por oração, encorajamento e cura aos dois missionários, bem como pela conversão destes oito perseguidores.

Fonte: Portas Abertas