Moçambique vai acolher em dezembro a 9ª Assembléia da Conferência das Igrejas Evangélicas da África, para uma reflexão sobre temas como AIDS, direitos humanos e situação política, anunciou o Conselho Cristão de Moçambique.

Em declarações à Agência Lusa, o presidente da organização e bispo da Igreja Anglicana de Moçambique, Dinis Sengulane, disse que são esperadas para o evento 3.000 pessoas, incluindo representantes de Angola e Cabo Verde, faltando ainda a confirmação das presenças da Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe.

“O encontro de Maputo acontece cinco anos depois da última assembléia e só esse intervalo já mostra a importância dos temas que serão parte da nossa reflexão”, disse o bispo angolano.

Segundo o dirigente do Conselho Cristão, a situação política no continente também será debatida no encontro dos líderes das igrejas evangélicas africanas, pois “os fiéis estão na terra, apesar de não pertencerem à terra”.

“Uma igreja séria não pode ficar indiferente ao que se passa na terra, incluindo a situação política, pois é aqui onde também estão os fiéis e uma parte dos seus líderes, os líderes políticos, pelos quais também oramos nos nossos serviços religiosos”, disse Sengulane.

Apesar de a questão política africana estar marcada para a 9ª Conferência das Igrejas Evangélicas Africanas, Dins Sengulane disse esperar que o problema do Zimbábue seja resolvido antes do início do evento e não faça parte dos trabalhos.

“Todos nós oramos para que o que está a acontecer no Zimbábue seja ultrapassado hoje e não seja preocupação até dezembro, porque é um problema urgente”, afirmou. A maioria da população zimbabueana é anglicana, devido ao passado colonial britânico.

Apesar de ser um encontro das igrejas evangélicas, o mesmo “terá também um aspecto ecumênico, como símbolo de respeito e solidariedade entre os vários credos”, em um momento de intensa mobilidade de fiéis, provocada pelo advento de novas seitas na África.

Fonte: Lusa