Home / Palavra Pastoral


A humildade que engrandece

 

Pr. Estevão Chiappetta

 

Esta é a história de dois aviões, a primeira é sobre o voo da Chapecoense que caiu mas que engrandeceu através do conhecimento de detalhes de tantas vidas honradas que lá estavam, e que contrasta com a segunda história, no caso a tentativa de voo do Congresso Nacional, este segundo avião que nunca subiu e tem a "criatividade" de cair sem nunca ter decolado. 

Desde as primeiras notícias sobre o terrível acidente que levou a morte de 71 vidas e que produziu uma comoção em tantas pessoas no Brasil e ao redor do mundo, podemos refletir que mesmo em meio a tragédia podemos nos surpreender com uma chuva de histórias fabulosas, além claro, da grata surpresa de sabermos que alguns, mesmo sendo poucos, sobreviveram e que estão se recuperando.

A queda deste voo provocou, nos forçou a conhecer e a reconhecer a história vitoriosa de um time e o sucesso de tantas pessoas honradas que se foram, que em segundos foram tiradas de seus amigos e familiares, apesar da nossa miserável e desgraçada Câmara dos Deputados do Congresso Nacional se aproveitar deste momento de fragilidade do povo brasileiro diante de um acidente tocante e planejarem na calada da noite aprovar leis que beneficiam a eles mesmos!

A queda do voo da Chapecoense com todos os jogadores, convidados, jornalistas, e a tripulação que num dado momento estava no ar mas que em segundos caiu infelizmente por falta de combustível nos faz ponderar e refletir que esta queda por mais difícil que seja de aceitar, foi uma tragédia que ensinou aos vivos a desenvolver a misericórdia, a ter solidariedade e serem graciosas diante deste fato terrível.

A primeira história, sobre o primeiro avião é uma história de honradez, já o segundo avião é a história da desonra, da vergonha! De um avião chamado Congresso Nacional que foi eleito para fazer o Brasil decolar e chegar a um aeroporto seguro, mas este avião de Brasília não voa, não quer levar o povo, não tem sequer a classe econômica, não tem espaço para o povo brasileiro.
 
Esta é a realidade infeliz do Congresso Nacional, situado em Brasília, a capital do país onde suas ruas foram desenhadas e planejadas sob um designe inspirado na imagem de um grande avião, justamente ali na Praça dos Três Poderes onde estão representadas a Câmara dos Deputados e o Senado Federal (o Legislativo) que curiosamente é uma instituição conjunta com Executivo e Judiciário para simbolicamente formar a "cabine" do plano piloto, para assim representar, que estão conduzindo a navegação do Brasil para lugares altos. É dali que vergonhosamente sai o pior plano de voo para este país.
O avião que levava todos da Chapecoense foi vítima de uma queda que contraditoriamente engrandeceu e enobreceu todos que estavam naquele voo, ao contrário do Congresso Nacional que pelo visto se tornou um avião que já caiu faz tempo e o pior sem alguma honra, sem a graça, num voo sem o combustível da confiança do povo, sem o combustível do servir ao povo, sem o combustível do amor pelo país! O Congresso está sem combustível! E o pior, o Congresso Nacional, salvo poucas exceções, querem levar abaixo todo o Brasil junto com eles! A Câmara dos Deputados se aproveitou do momento de fragilidade do povo brasileiro e da imprensa brasileira e tocaram na calada da madrugada um projeto onde beneficia a eles mesmos! Algo sórdido, maquiavélico e vergonhoso!
Diante de toda essa história aprendemos com o time adversário da Chapecoense, no caso o Club Atlético Nacional S.A. de Medellin na Colômbia, que abriu mão de seu título de campeão e concedeu ao time de Chapecó o reconhecimento de Campeões da Copa Sul Americana de 2016, além da bela homenagem póstuma no estádio Atanasio Girardot Nacional. Do lugar onde supostamente não veríamos a graça de Deus, num time de futebol adversário, que poderia se aproveitar da fragilidade do momento e ser sem esforço campeão, surpreendentemente é neste lugar que brota a graça, e a virtude cristã resumida em um dos ensinos fundamentais de Jesus Cristo: "quem quiser ser o maior que seja o menor"! É uma atitude de humildade que engrandece!
Tragédias como a do primeiro avião nos ensinam que somos frágeis e que devemos sempre refletir a respeito de como lidamos com a vida, e a nossa relação com Deus, e também como aqueles com quem convivemos. Me permitam parafrasear e aplicar a Bíblia através da Carta de Paulo aos Romanos capítulo 8 e versos 38 ao 39 e aplicar neste contexto: "Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem alguma autoridade terrena, nem algum campeonato atual ou futuro, nem as expectativas de alguma conquista ou nem de alguma possível perda, nem a decolagem de um avião, nem a queda de algum avião, nem qualquer tragédia ou situação ou pessoa poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.”
Encerro também parafraseando outro texto bíblico que se encontra no Evangelho segundo a narrativa de João capítulo 11, verso 35: "Jesus chorou", e eu também chorei!
 
 
 

 

 

Pr. Estevão Chiappetta é pós-graduado em Ciências da Religião pela UCAM RJ, serve como Diretor do Seminário Evangélico da Igreja de Deus - SEID Nordeste (https://www.facebook.com/seidnordeste), pregador, palestrante, pastor da Igreja de Deus no Brasil em Vitória PE, é casado com Helena, e tem 7 fabulosos cães.

 

 

________________________________________________

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam necessariamente a opinião do FolhaGospel.com 


FolhaGospel.com

http://folhagospel.com/modules/mastop_publish/?tac=Palavra_Pastoral