FG News: Visão Mundial pode continuar contratando baseando-se na fé, determina tribunal

Postado em: 26-08-2010 A organização humanitária cristã Visão Mundial pode contratar se baseando em crenças religiosas, determinou um tribunal federal esta semana.

O Tribunal de Apelos do 9º Circuito dos EUA concluiu que a Visão Mundial se mostra explicitamente ao público como uma instituição religiosa e assim se torna isenta do Título VII do Ato dos Direitos Civis, o que proíbe discriminação religiosa.

A organização humanitária cristã bem-conhecida aplaudiu a decisão.

"Nossa fé cristã têm sido a fundação do nosso trabalho desde que a organização foi estabelecida em 1950 e nossa apólice de contratação é vital para a integridade de nossa missão para servir os pobres como seguidores de Jesus Cristo," disse a Visão Mundial em uma declaração.

"A Visão Mundial continuará a defender vigorosamente a liberdade de contratar empregados que compartilham nossa fé, assim como outras organizações religiosas, não importando se são Muçulmanos, Budistas, Judeus ou Cristãos," adicionaram eles.

Três empregados anteriores abriram um processo em 2007, alegando discriminação. Eles foram demitidos em 2006 depois que a Visão Mundial descobriu que os empregados tinham negado a divindade de Jesus Cristo e a doutrina da Trindade.

Os empregados - Silvia Spencer, Ted Youngberg e Vicki Hulse -tinham reconhecido seu acordo e conformidade com a Declaração de Fé da Visão Mundial, seus Valores Principais e a Declaração da Missão antes de seram contratados. Mas crença deles sobre a Trindade não foi aceita como compatível com a crença doutrinal da organização de que "há um Deus, que existe eternamente em três pessoas: Pai, Filho e o Espírito Santo."

Quando o Tribunal do Distrito dos EUA para o Distrito Ocidental de Washington foi a favor da Visão Mundial, concluindo que a organização sem fins lucrativos qualificava para a isenção do Ato dos Direitos Civis, os empregados demitidos apelaram.

Na segunda-feira, no entanto, o painel de três juizes rejeitou o apelo 2-1, dizendo que a Visão Mundial continua a estar de acordo com seus Artigos de Integração – os quais declaram que os únicos propósitos primários para que a corporação esteja organizada sejam baseados na religião, incluindo a condução de serviços cristãos religiosos e missionários.

Numa opinião contrária, a Juiza Marsha Berzon disse que ela está convencida que a Visão Mundial não é uma corporação religiosa qualificada para a isenção e que o governo "simplesmente não podia operar se fosse necessário satisfazer os desejos e necessidades religiosas de cada cidadão."

"O propósito e as operações diárias da Visão Mundial são definidas por uma vasta série de ajuda humanitária a qual é, de acordo com eles, secular," escreveu ela.

"Embora a Visão Mundial mantém que a 'testemunha cristã' é 'integrada dentro' dessas atividades, a definição da Visão Mundial de 'testemunha cristã' envolve todos os atos humanitários, incluindo cavando um poço para fornecer comida e água para os que precisam," adicionou Berzon.

"Só as crenças religiosas pessoais dos empregados da Visão Mundial diferenciam esses atos humanitários do 'ministério' que podia, como a Visão Mundial, ser fornecido por pessoas de todas as fés ou sem fé."

A Visão mundial serve mais ou menos 100 milhões de pessoas em quase 100 países ao redor do mundo. A organização diz que é "motivada por nossa fé em Jesus Cristo" para "servir ao lado dos pobres e oprimidos como uma demonstração do amor incondicional de Deus para todas as pessoas."

Todos os candidatos para as posições na Visão Mundial dos Estados Unidos são examinados para verem seu compromisso com Cristo. O processo de examinação inclui a discussão com o candidato sobre sua jornada espiritual e seu relacionamento com Jesus Cristo e entendimento de princípios cristãos.

Fonte: Christian Post