FG News: França aprova veto à burca e enfrenta ameaças de bomba em Paris

Postado em: 15-09-2010 O Parlamento da França aprovou nesta terça-feira a proibição ao uso de véus islâmicos que cobrem todo o rosto da mulher, como a burca.

A decisão foi tomada no mesmo dia em que duas ameaças de bomba, já durante a noite francesa, forçaram o fechamento temporário da Torre Eiffel e seus arredores e da estação de trens e metrôs de Saint-Michel, no centro de Paris e a mesma onde, em 1995, um atentado terrorista deixou oito mortos.

Segundo policiais, havia cerca de duas mil pessoas no principal ponto turístico de Paris e no vizinho Campo de Marte no momento da evacuação. O diário francês "Le Figaro" explica que a retirada das pessoas foi feita de forma tranquila após a polícia ter recebido uma chamada anônima sobre a suposta bomba. A ligação teria sido feita de uma cabine pública dentro de Paris.

Já a estação de Saint-Michel - a cerca de dez estações da Torre Eiffel - não chegou a ser totalmente interditada, mas os trens programados não pararam ali durante um período de entre 15 minutos e uma hora, variando de acordo com a linha. Da mesma forma que no caso da Torre Eiffel, o alerta de bomba também foi feito por um telefonema anônimo.

Em nenhum dos casos foi encontrado qualquer material explosivo, mas a polícia, de acordo com a emissora americana CNN e alguns jornais franceses, levou a sério as denúncias por conta da proximidade com o nono aniversário do 11 de Setembro e devido à aprovação da proibição à burca.

Veto teve aprovação quase unânime

O veto foi aprovado pelo Senado por 146 votos a 1. A lei já havia passado na Câmara e proíbe as pessoas de "vestirem, em lugar público, trajes destinados a cobrir o rosto." A lei entraria em vigor num prazo de seis meses, após um período de conscientização.

O projeto de lei prevê aplicação de multa de 150 euros para quem andar pela rua com o rosto coberto - salvo em casos excepcionais, como em festas ou por motivo de saúde - e de até 30 mil euros e um ano de prisão para quem forçar outra pessoa a cobrir o rosto "por causa de seu gênero sexual"

- O véu de rosto inteiro dissolve a identidade de uma pessoa na da comunidade - disse a ministra da Justiça, Michele Alliot-Marie, antes da votação, cujo resultado foi 246 a 1. - Ele desafia o modelo francês da integração com base na aceitação dos valores da nossa sociedade.

Com cerca de 5 milhões de habitantes muçulmanos, a França, que tem população total de 64 milhões de pessoas, é o país europeu com maior número de islâmicos. O Conselho de Estado - instituição que funciona como conselheira do governo -- foi contra uma proibição total do véu em espaço público, e defendeu a interdição somente nas repartições públicas.

Para os integristas islâmicos, mulher sem véu "incita (os homens) ao estupro e à perversão". O véu, acreditam, "preserva (a mulher) de todos os perigos".

Fonte: O Globo