FG News: Justiça egípcia promete 'mão de ferro' para manter a estabilidade no país

Postado em: 09-05-2011 Choques entre muçulmanos e cristãos neste fim de semana mataram 10 e feriram 186 no Cairo.

O ministro da Justiça do Egito prometeu neste domingo usar "mão de ferro" para manter a segurança no país, após os confrontos entre muçulmanos e cristãos na noite de sábado que deixaram 10 mortos e 186 pessoas feridas na capital, Cairo.

As autoridades "vão atacar com mão de ferro todos os que buscam mexer com a segurança da nação", disse Abdel Aziz al-Gindi.

O Exército egípcio disse que mais de 190 pessoas detidas por causa dos conflitos no bairro de Imbaba vão a julgamento, medida que chamou de "prevenção" contra novos atos de violência.

O correspondente da BBC no Cairo disse que o governo egípcio está considerando o ocorrido seriamente a ponto de o premiê Essam Sharaf cancelar uma visita ao Golfo Pérsico e convocar uma reunião de emergência.

O episódio

Os confrontos começaram depois que centenas de muçulmanos conservadores se reuniram em uma igreja alegando que uma mulher cristã que se converteu ao islamismo estava sendo mantida contra a vontade dentro da igreja.

Segundo a agência Mena, a mulher teria se casado com um muçulmano e queria se converter ao islamismo.

O que teria começado como uma discussão entre manifestantes, seguranças da igreja e moradores das proximidades evoluiu para um confronto envolvendo armas, bombas e pedras.

Duas igrejas e algumas casas do bairro foram incendiadas e foram necessárias algumas horas para que os serviços de emergência e militares controlassem a situação.

Segundo o correspondente da BBC, a ocorrência de outro episódio grave de violência em uma comunidade, enquanto o governo militar lidera um processo de transição hesitante é mais um motivo de preocupação para o Egito.

Rivalidade

Em março 13 pessoas morreram em confrontos semelhantes em outro bairro.

Em abril, manifestantes na cidade de Qena, sul do Egito, cortaram os transportes para o Cairo durante uma semana em protesto contra a indicação de um governador cristão para a região.

Cerca de 10% da população do Egito é formada por coptas. A maioria é de muçulmanos.

De acordo com o correspondente da BBC, esta minoria cristã agora teme pela própria segurança caso os muçulmanos conservadores consigam bons resultados nas eleições, marcadas para setembro.

Fonte: Estadão