FG News: Não quis desrespeitar os evangélicos, diz professora do "Fala Que Eu Te Escuto"

Postado em: 02-02-2007 A telespectadora que passou um sermão no bispo Clodomir Santos (foto) durante o "Fala Que Eu Te Escuto", a professora Viviane Oliveira Santos, diz que não teve intenção de desrespeitar os evangélicos, como acusaram alguns internautas em blogs e comentários publicados no YouTube.

"Agi no impulso. Ouvi o que programa estava falando sobre o candomblé, liguei para o programa para reclamar. Não achava que eu iria entrar no ar. Não quis ser desrespeitosa com os evangélicos", afirma a professora de português e cidadania Viviane Oliveira Santos, 29, que se declara católica.

A participação dela foi exibida pela Record na madrugada deste domingo (28) e durou cerca de 40 minutos. No YouTube, há apenas um trecho de oito minutos, em áudio, que foi divulgado por blogs.

"Eu tinha acabado de chegar do teatro. Estava vendo o Martinho da Vila no programa do Serginho (Altas Horas, na Globo). No intervalo, comecei a zapear e vi a Suzana Vieira no programa da Record. Achei estranho e fiquei acompanhando", reconstitui a professora.

O programa evang√©lico discutia o caso da atriz Suzana Vieira, cujo marido foi preso ap√≥s agredir uma garota de programa e depredar um motel. O bispo convocou a participa√ß√£o do p√ļblico por telefone, perguntando se uma "macumba" teria provocado a crise no casamento.

Para a professora, as cenas de um culto de candomblé exibidos pelo "Fala Que Eu Te Escuto" não condizem com a realidade.

"O que questionei no programa é que aquele vídeo, que o bispo disse que era da extinta TV Manchete, reforçava o preconceito contra o candomblé", afirma Viviane.

Na √ļltima quarta-feira, ela foi at√© a produ√ß√£o do programa buscar a fita de sua participa√ß√£o no "Fala Que Eu Te Escuto", como o bispo prometeu no ar. Mas a professora diz que n√£o conseguiu o material. Apenas foi orientada a procurar o departamento jur√≠dico da emissora. Ela ainda n√£o conseguiu contactar o respons√°vel.

A professora diz que ficou surpresa com a repercussão do caso na internet. Ela procurou os blogs para dar sua versão, rebatendo as críticas. "Em alguns comentários, diziam que eu era macumbeira."

Voltaria a ligar para o "Fala Que Eu Te Escuto"? "Sim, eu faria de novo. Sou uma cidad√£".

Ela trabalha em uma escola privada de ensino médio. Também estuda história da cultura em uma faculdade. Com a divulgação do áudio no YouTube, Viviane diz que alguns colegas reconheceram sua voz. A professora diz que já participou de um movimento para realizar a parada negra em São Paulo.

Viviane afirma ter ficado feliz em ter provocado uma discuss√£o p√ļblica sobre a quest√£o religiosa no Brasil e a TV. "Achei bacana que a hist√≥ria tenha tomado essa dimens√£o. Esse caso mudou minha vida."

Fonte: Folha Online