FG News: Após criticar evangélicos, Globo decide cortar cenas gays de "Insensato Coração"

Postado em: 19-07-2011 No cap√≠tulo desta segunda-feira, 18, o personagem gay ‚ÄúChic√£o‚ÄĚ (foto) vivido pelo ator Wendell Bendelack, disse ser discriminado pelos seus pais por influ√™ncia de um pastor.

‚ÄúA minha m√£e s√≥ fala comigo para me dar serm√£o; o meu pai nunca passou de ‚Äėbom dia‚Äô e cascudo. Os dois v√£o na conversa do pastor da igreja deles e me tratam como se eu fosse o ‚Äėfim do mundo‚Äô‚ÄĚ.

Esta foi a frase dita pelo personagem gay ‚ÄúChic√£o‚ÄĚ no cap√≠tulo desta segunda-feira, 18, na novela ‚ÄúInsensato Cora√ß√£o‚ÄĚ, quando ele pedia desculpas a sua patroa, Sueli, interpretada por Louise Cardoso, que na trama, descobre que tem um filho gay.

Durante v√°rios dias seguidos, a emissora global exibiu cenas de alguns personagens da novela se confrontando verbalmente sobre o tema ‚Äúhomossexualismo‚ÄĚ. Nas cenas, enquanto uns n√£o aceitavam, outros diziam que a n√£o aceita√ß√£o seria ‚Äúhomofobia‚ÄĚ e que j√° existia no Congresso uma lei que iria tornar a homofobia, crime, pun√≠vel com pris√£o.

O exagero destas cenas e a perda de 8% do ibope este ano, talvez tenham alguma rela√ß√£o, e possam ter sido decisivos para que a emissora resolvesse ‚Äújogar um balde de gelo nos gays‚ÄĚ da novela, como afirma a colunista da Folha de S√£o Paulo, Keila Jimenez.

A Folha de São Paulo apurou que os autores da novela, Gilberto Braga e Ricardo Linhares, foram chamados na semana passada para uma conversa com o diretor-geral de entretenimento da emissora, Manoel Martins. Na pauta: a determinação da Globo para que a história dos homossexuais Eduardo (Rodrigo Andrade) e Hugo (Marcos Damigo) fosse completamente esfriada no folhetim.

As novas cenas de Hugo e Eduardo, assim como as cenas de conversa sobre o assunto entre Eduardo e sua m√£e, vivida por Louise Cardoso, ser√£o inutilizadas.
Aos autores e atores a Globo pediu silêncio. Nada de instigar o beijo gay nem a ira de entidades que possam encarar a iniciativa como preconceito. A ordem é esfriar o assunto sem polemizar.

Além do corte das cenas, os autores foram instruídos a não carregarem bandeira política, a pararem de fazer apologia pela criação de uma lei que puna a homofobia. Já as cenas engraçadas do personagem Roni (Leonardo Miggiorin) estão liberadas.

Procurada, a Globo, via assessoria, diz que a televis√£o √© um ve√≠culo de massa que precisa contemplar todos os seus p√ļblicos e faz parte do papel da dire√ß√£o zelar para que isso aconte√ßa.

Fonte: FolhaGospel, G1 e Folha de S√£o Paulo