FG News: Evangélicos da base aliada protestam contra posse de nova ministra

Postado em: 10-02-2012 A ministra de Eleonora Menicucci toma posse nesta sexta-feira, 10, na Secretaria de Políticas para as Mulheres debaixo de ataques da bancada evangélica no Congresso, quase toda abrigada na base aliada.

As posi√ß√Ķes p√ļblicas da ministra a favor do aborto junto com declara√ß√Ķes do ministro da Secretaria-Geral da Presid√™ncia da Rep√ļblica, Gilberto Carvalho, no F√≥rum Social, no final do m√™s passado, acenderam a revolta nos parlamentares evang√©licos. Na tentativa de acalmar a bancada, uma nota do ministro foi lida no plen√°rio da C√Ęmara. Al√©m disso, Carvalho, cat√≥lico militante, prop√īs uma reuni√£o com os parlamentares evang√©licos.

De forma contundente, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) convocou os evang√©licos a combaterem a nova ministra. "N√£o se iludam, a bancada de evang√©licos se unir√° n√£o s√≥ para expressar a repulsa por essas declara√ß√Ķes (de Gilberto Carvalho), assim como para combater a abortista que nomearam ministra", escreveu Cunha no twitter. "Essa posse da abortista amanh√£ (sexta-feira) √© sintom√°tica para todos n√≥s e devemos mostrar de forma contundente a nossa revolta. Aborto n√£o. Ali√°s, quando a gente l√™ v√°rias declara√ß√Ķes dessa nova ministra, ela est√° no lugar e na √©poca errada, devia estar em Sodoma e Gomorra", completou o deputado.

Professora e soci√≥loga, Eleonora Menicucci declarou em entrevistas, assim que foi escolhida para o cargo pela presidente Dilma Rousseff, que considera a discuss√£o do aborto no Brasil como uma quest√£o de sa√ļde p√ļblica, como o crack e outras drogas, a dengue o HIV e todas as doen√ßas infectocontagiosas. Para ela, aborto n√£o √© uma quest√£o ideol√≥gica.

H√° dois dias, os evang√©licos est√£o em p√© de guerra com o ministro Gilberto Carvalho. "Esse governo fala tanto em discrimina√ß√£o, e vem agora um ministro tomar uma posi√ß√£o de discrimina√ß√£o em rela√ß√£o aos evang√©licos, chamando-os de retr√≥grados e dizendo que a lei do aborto n√£o √© aprovada por causa dos evang√©licos. N√£o √© a lei do aborto, √© a lei do assassinato de crian√ßas indefesas", protestou o l√≠der do PR, Lincoln Portela (MG). O deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) tamb√©m cobrou explica√ß√Ķes do ministro e o acusou de discriminar os evang√©licos.

Em nota lida pela deputada Benedita da Silva (PT-RJ), evang√©lica, o ministro afirma que suas declara√ß√Ķes foram, divulgadas na internet de forma "distorcida e equivocada" e acabaram por motivar cr√≠ticas agressivas a ele. "De maneira alguma ataquei os companheiros evang√©licos. Quem conhece a minha trajet√≥ria sabe do carinho que eu tenho, do reconhecimento que eu tenho ao trabalho das Igrejas Evang√©licas no pa√≠s. O que eu fiz l√° foi uma constata√ß√£o pol√≠tica que, de fato, quem tem presen√ßa na periferia do Brasil, quem fala para as classes sobretudo C, D e E s√£o as Igrejas Evang√©licas e, portanto, essa presen√ßa tem que ser reconhecida, √© real e efetiva", argumentou o ministro.

O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) atuou como bombeiro. Ele procurou evangélicos para explicar a posição do ministro e disse que houve um mal-entendido.

Fonte: Estad√£o