FG News: Pol√≠cia investiga pastor Marcos Pereira por den√ļncias de estupro, tortura e amea√ßa de morte

Postado em: 11-03-2012 Com bom tr√Ęnsito entre pol√≠ticos, artistas e ONGs, o pastor Marcos Pereira (foto) √© agora acusado de abuso sexual, tortura de crian√ßas e coniv√™ncia com a bandidagem que ele diz ‚Äúcurar‚ÄĚ, conforme revela reportagem da revista VEJA desta semana.

Em um rec√©m-instaurado inqu√©rito que est√° em poder da Delegacia de Combate √†s Drogas do Rio, o pastor √© acusado de encena√ß√Ķes de cura pela f√©, estupro, tortura de crian√ßas e rela√ß√Ķes criminosas com os marginais aos quais esbravejava promessas de ‚Äúsalva√ß√£o do dem√īnio‚ÄĚ.

Confira abaixo matéria da revista Veja on-line:

Na √ļltima d√©cada, o pastor carioca Marcos Pereira, 55 anos, conquistou respeito em rodas que mesclam pol√≠ticos, desembargadores, artistas e uma vasta turma egressa de ONGs. Entre os que j√° o viram em cima de um p√ļlpito gesticulando com um de seus Rolex em punho e desejando ‚Äúrajadas de gl√≥ria‚ÄĚ √† plateia, est√£o o senador Alvaro Dias (PSDB-PR), a produtora Marlene Mattos e o ex-pagodeiro Waguinho, que, mesmo sem se eleger, alcan√ßou 1,3 milh√£o de votos na √ļltima disputa para o Senado tendo o pastor Marcos como cabo eleitoral. Al√ßado √† condi√ß√£o de religioso-celebridade, Marcos extrapolou, e muito, as fronteiras de sua igreja, a pentecostal Assembleia de Deus dos √öltimos Dias, com sede no Rio e filiais no Paran√° e no Maranh√£o. Desde 2004 ‚ÄĒ depois de p√īr fim a uma sangrenta rebeli√£o em um pres√≠dio do Rio, a pedido do ent√£o secret√°rio de Seguran√ßa, Anthony Garotinho ‚ÄĒ, ele passou a ser visto como o mais habilidoso apaziguador de conflitos liderados pela bandidagem, com um curr√≠culo que, segundo o pr√≥prio, inclui o resgate de centenas do tr√°fico. Tem feito esse trabalho no Brasil inteiro e j√° foi v√°rias vezes aos Estados Unidos, onde quer erguer um templo, para falar da experi√™ncia. Pois por tr√°s dessa fachada, ao que tudo indica, se esconde um enredo de atrocidades que n√£o deixa pedra sobre pedra da imagem de bom religioso do pastor.

Em um rec√©m-instaurado inqu√©rito, cujo n√ļmero √© 902-00048/2012 e que est√° em poder da Delegacia de Combate √†s Drogas do Rio, ele √© acusado de encena√ß√Ķes de cura pela f√©, estupro, tortura de crian√ßas e rela√ß√Ķes criminosas com os marginais aos quais esbravejava promessas de ‚Äúsalva√ß√£o do dem√īnio‚ÄĚ. VEJA teve acesso a trechos da investiga√ß√£o, um conjunto de relatos de gente que diz ter sido v√≠tima ou testemunha da perversidade do pastor. Um de seus homens de confian√ßa durante mais de seis anos, longe da igreja h√° dois, traz √† luz uma hist√≥ria escabrosa, que d√° a dimens√£o de como o pastor se enfronhou no mundo do crime. Essa testemunha sustenta, por exemplo, que Marcos ficou claramente do lado dos bandidos que engendraram a mais sangrenta onda de terror no Rio, em 2006. Depois dos ataques, reuniu seu s√©quito mais √≠ntimo em uma churrascaria. ‚ÄúEle queria que os bandidos tivessem at√© explodido a Ponte Rio-Niter√≥i. O objetivo era aparecer depois como o intermedi√°rio salvador‚ÄĚ, conta o ex-fiel. A trama piora na voz de outra testemunha, que situa o pastor como bra√ßo operacional da selvageria. ‚ÄúMarcos foi ao pres√≠dio de bangu 1 e saiu de l√° com um recado dos chef√Ķes do tr√°fico para que suas quadrilhas dessem sequ√™ncia √† carnificina‚ÄĚ, rememora. Como sabe disso? ‚ÄúO pastor me encarregou de repassar a ordem nas favelas. E foi o que eu fiz.‚ÄĚ

A pol√≠cia j√° colheu uma dezena de depoimentos, e muitas das hist√≥rias se repetem nos m√≠nimos detalhes. A investiga√ß√£o come√ßou h√° duas semanas, depois que o coordenador da ONG Afro- Reggae, Jos√© Junior, 43 anos, veio a p√ļblico denunciar que o pastor tinha um plano para mat√°-lo. A informa√ß√£o vinha de integrantes da pr√≥pria igreja. ‚ÄúTrata-se de um psicopata‚ÄĚ, dispara Junior, que hoje tem a seu lado na ONG um antigo bra√ßo direito de Marcos, o pastor Rog√©rio Ribeiro de Menezes, 39 anos. Afastado do templo de Marcos desde 2008, ele fala pela primeira vez sobre os dezessete anos que viveu sob suas asas. Tomou a decis√£o depois de ter sido amea√ßado de morte tr√™s vezes ‚ÄĒ na √ļltima, os traficantes de uma favela esfregaram um fuzil contra seu rosto e pronunciaram o nome Marcos.

Seu depoimento ajuda a elucidar o que tanto unia o pastor aos traficantes que ele dizia ‚Äúcurar‚ÄĚ, e certamente n√£o era a f√©. N√£o raro, Marcos lhe pedia que escondesse mochilas cheias de dinheiro em sua casa. Contou duas vezes a cole√ß√£o de notas. ‚ÄúNuma delas, havia 200 000 reais. Na outra, 400 000 reais‚ÄĚ, lembra Rog√©rio. Detalhe: traziam resqu√≠cios de coca√≠na e crack. Segundo Rog√©rio, o pastor cobrava at√© 20 000 reais para pregar nas favelas, o que os traficantes pagavam de bom grado, j√° que assim mantinham sua base assistencialista. Tr√™s deles chegaram a ser presos em propriedades da igreja do pastor, no Rio e no Paran√°, mas a pol√≠cia nunca comprovou que estavam ali com a coniv√™ncia do religioso. Todos pagaram uma taxa equivalente a 10% de tudo o que haviam acumulado no crime.

Em seu templo, o fundador √© t√£o reverenciado quanto temido. At√© hoje, manteve todos em sil√™ncio √† base de benesses e amea√ßas. Duas mulheres contam como a igreja se tornou um show de horrores no qual lhes cabia o papel de v√≠timas do pastor. Ambas dizem que foram violentadas sexualmente por ele diversas vezes. √Ä pol√≠cia, uma das mo√ßas afirma ainda que Marcos obrigava as fi√©is de sua prefer√™ncia a manter rela√ß√Ķes sexuais com outros homens, em orgias das quais tamb√©m participava. ‚ÄúDepois, mandava a gente confessar tudo com outro pastor, sem revelar nomes, √© claro‚ÄĚ, ela conta. Constam ainda do inqu√©rito den√ļncias de crueldades contra crian√ßas que o pastor mantinha sob sua guarda, em geral abandonadas pelos pais. Uma delas, de 7 anos, teria pago caro por testemunhar, casualmente, as perip√©cias sexuais do religioso. Ao se dar conta, o pastor agarrou-a pelos cabelos e lan√ßou-lhe a cabe√ßa no vaso sanit√°rio, segundo um dos relatos √† pol√≠cia.

Ex-gar√ßom, o pastor Marcos √© casado e tem dois filhos que j√° seguem seus passos no mundo da f√©. Convertido em 1989, fundou sua igreja dois anos depois e constituiu ali um reinado de trevas. Pro√≠be refrigerante, r√°dio, televis√£o (apesar de ter um tel√£o em seu gabinete) e rem√©dios, j√° que a igreja se encarrega da cura (aos que pagarem uma taxa extra via boleto banc√°rio, distribu√≠do durante a prega√ß√£o). Os cultos, que juntam at√© 15 000 pessoas, s√£o barulhentos e teatrais ‚ÄĒ literalmente, segundo narra um ex-assessor do pastor, que ajudava a armar o show: ‚ÄúEle dava dinheiro a viciados para comprarem droga, filmava a turma em degrada√ß√£o e depois levava para a igreja, como se os estivesse salvando‚ÄĚ. Na √ļltima segunda- feira, um rapaz adentrou a Assembleia de Deus dos √öltimos Dias de muletas, que usava desde um acidente que lhe machucara o f√™mur. Depois das ora√ß√Ķes do pastor Marcos, caminhou em frente aos fi√©is dizendo-se curado. Findo o culto, subiu na mesma moto que havia conduzido na viagem de ida √† igreja e foi embora.


Imagem redimensionada



ATROCIDADES
Marcos acusado: Junior, do AfroReggae, revela ameaça de morte, e depoimento de uma fiel (ao lado) relata estupro





Fonte: Revista Veja on-line