FG News: Edir Macedo: "O céu e o inferno não são folclore"

Postado em: 26-11-2012 Em entrevista exclusiva para a revista Isto√Č, Edir Macedo conta que n√£o tem resid√™ncia fixa, diz que a Igreja Universal ainda √© perseguida pelos cat√≥licos, relata o √ļltimo encontro com a presidenta Dilma Rousseff e fala sobre o futuro da Igreja e da Rede Record

Edir Macedo estava no apartamento de aproximadamente 200 metros quadrados no √ļltimo andar do pr√©dio da Igreja Universal do Reino de Deus, na avenida Jo√£o Dias, em S√£o Paulo, quando soube que o lan√ßamento de sua autobiografia "Nada a Perder", na Argentina, fora um sucesso (leia reportagem √† p√°g. 68). Na sequ√™ncia, Macedo foi informado de que o livro tamb√©m ser√° traduzido para o franc√™s e imediatamente come√ßou a procurar data na agenda para promover um lan√ßamento em Paris no in√≠cio do pr√≥ximo ano. Foi no embalo dessas not√≠cias que, no domingo 18, sentado no sof√° da sala do im√≥vel que costuma ocupar quando est√° em S√£o Paulo, Edir Macedo concedeu entrevista exclusiva √† ISTO√Č. Nos √ļltimos sete anos, √© a primeira entrevista do bispo a um meio de comunica√ß√£o que n√£o pertence a ele. Aos 67 anos, o l√≠der da IURD e dono da Rede Record entende que ainda √© tratado como o chefe de uma seita pela c√ļpula cat√≥lica. Ele relata o √ļltimo encontro que teve com a presidenta Dilma Rousseff, afirma que milagres continuam a ocorrer em seus templos e se mostra emocionado quando faz refer√™ncia √†s pessoas que conseguem encontrar na Universal um novo caminho para suas vidas.

ISTO√Č - Como √© sua rotina? Por que o sr. n√£o mora no Brasil?

Edir Macedo - N√£o tenho uma rotina definida. Dedico cem por cento do meu tempo √†s quest√Ķes espirituais da Igreja Universal do Reino de Deus em todo o mundo. N√£o exer√ßo uma profiss√£o ou um cargo executivo, exer√ßo uma miss√£o de f√© que tem como √ļnico objetivo pregar o Evangelho. Isso exige certos sacrif√≠cios, como, por exemplo, n√£o ter uma resid√™ncia fixa. Viajo os continentes, o m√°ximo que posso, para ensinar o que temos recebido de Deus aos pastores e ao nosso povo. Em quase todos os pa√≠ses, moro em apartamentos constru√≠dos no pr√©dio da Igreja. Minha vida se resume ao altar e ao conv√≠vio com minha esposa, Ester.

ISTO√Č - O sr. √© um homem rico?

Macedo - Vivo da ajuda de custo da Igreja e dos direitos autorais. A Igreja Universal n√£o √© patrocinada pelo governo ou por qualquer iniciativa privada. Temos despesas para pagar. Alugu√©is, reformas e constru√ß√Ķes de centenas de templos, contas milion√°rias de luz e √°gua, ajuda de custo de milhares de pastores, mais de 5.800 funcion√°rios registrados etc., etc... Quem paga tudo isso? O dinheiro n√£o cai do c√©u. √Č Deus quem d√° o sustento para a Sua Igreja aben√ßoando a vida das pessoas. Quanto mais elas recebem, mais elas nos ajudam a investir no Evangelho. E mais: nunca recebi nenhuma remunera√ß√£o da Record, nem como pr√≥-labore ou como ganho de lucros, conforme demonstrado nos balan√ßos da emissora, registrados na Junta Comercial. Todo o lucro √© reinvestido na pr√≥pria Record. Ela est√° a√≠ para crescer e conquistar um espa√ßo ainda maior.

ISTO√Č - Al√©m da Record, o sr. possui empresas em outros ramos?

Macedo - Tenho em meu nome a Record, mas meu prazer mesmo é pregar o Evangelho.

ISTO√Č - O bispo Edir Macedo consegue se distanciar do empres√°rio das comunica√ß√Ķes Edir Macedo?

Macedo - Deixo os negócios sob responsabilidade dos profissionais contratados para tocarem o dia a dia da Record, por isso não me considero um empresário. Não tenho riqueza maior na vida do que a minha fé. O nome do meu livro não é uma mera expressão literária. Não tenho nada a perder. E isso é um recado claro e direto a quem interessar.

ISTO√Č - Logo no in√≠cio do livro o sr. diz que, no momento de sua pris√£o, pol√≠ticos de prest√≠gio, empres√°rios, ju√≠zes e desembargadores tomavam decis√Ķes sob a influ√™ncia do alto comando cat√≥lico. Quais eram os pol√≠ticos e ju√≠zes que agiam sob influ√™ncia da c√ļpula cat√≥lica?

Macedo - A Igreja Universal foi e continua sendo atacada. Isso n√£o acabou. Somos sempre alvo de certos setores da sociedade incomodados com a perda de espa√ßo e privil√©gios, como a Globo e o Vaticano. H√° um claro preconceito por tr√°s disso. Uma postura agressiva velada. Ou algu√©m duvida que a Globo s√≥ me ataca e ataca a Igreja Universal por causa da Record? Para eles, a Record √© uma amea√ßa. Naquele tempo da minha pris√£o, por exemplo, houve um esc√Ęndalo sem precedentes na televis√£o de que pouca gente lembra. A Globo teve a petul√Ęncia de colocar, em uma cena de novela, uma atriz, prestes a ter rela√ß√Ķes sexuais, jogando o suti√£ em cima da "B√≠blia Sagrada". Voc√™ tem ideia do que isso significa? Uma afronta ao s√≠mbolo maior da f√© crist√£. A "B√≠blia" n√£o √© um livro sagrado apenas da Igreja Universal, mas de todos os crist√£os. E o que aconteceu? Nada! Muita gente aplaudiu, achou bonito. Em outro pa√≠s, essa emissora de tev√™ n√£o passaria sem puni√ß√£o. E agora, v√°rios anos depois, essa mesma emissora quer patrocinar eventos de m√ļsica gospel? D√° para acreditar nas inten√ß√Ķes dessa empresa?

ISTO√Č - A rela√ß√£o dos l√≠deres cat√≥licos com a Universal mudou de l√° para c√°? E com o Judici√°rio?

Macedo - Não temos relação com esse segmento religioso (os católicos) porque eles ainda nos consideram como seita. Não temos nada contra o povo católico, em sua enorme maioria formada por gente sincera e de bem. Depois de 35 anos, apesar do trabalho social e espiritual desenvolvido pela Igreja Universal, ainda somos tratados com preconceito, mas vamos em frente, vamos arrebentar de qualquer maneira. Sempre foi assim. Sobre os membros do Judiciário, penso completamente diferente. Tenho uma avaliação extremamente positiva do nosso Judiciário. Confio muito no senso de justiça e independência da classe de magistrados do nosso país.

ISTO√Č - Como o sr. se relaciona com a presidenta Dilma Rousseff? E com os ex-presidentes Sarney, Collor, Fernando Henrique e Lula?

Macedo - Ao longo dos √ļltimos anos tivemos alguns encontros com a presidenta Dilma, por quem tenho profundo respeito. O √ļltimo encontro aconteceu em Londres, durante os Jogos Ol√≠mpicos. Procuramos mostrar a ela e aos demais ministros que a democracia nos meios de comunica√ß√£o, principalmente na televis√£o, √© o melhor caminho para o Brasil. Alertei a presidenta Dilma que o monop√≥lio nas comunica√ß√Ķes √© um caminho perigoso para o Pa√≠s. Tamb√©m tivemos algum relacionamento com os demais presidentes brasileiros e diversas autoridades de outros pa√≠ses. Mais isso vou detalhar no volume dois do meu livro de mem√≥rias.

ISTO√Č - O sr. √© bem tratado pelos agentes do poder?

Macedo - Todos nos tratam com considera√ß√£o pelo trabalho de recupera√ß√£o social que a Igreja Universal realiza junto √†s mais variadas classes sociais. Quantos bilh√Ķes os governos economizam com o atendimento espiritual proporcionado pela Igreja Universal? Quando algu√©m vence uma crise cr√īnica de depress√£o ou supera o v√≠cio das drogas, por exemplo, quanto o sistema de sa√ļde p√ļblico economiza? Imagine esse efeito multiplicado aos milh√Ķes.

ISTO√Č - Estudiosos das igrejas neopentecostais t√™m pesquisas mostrando que os fi√©is costumam fazer um rod√≠zio entre as in√ļmeras denomina√ß√Ķes. A Universal seria a preferida daqueles que passam por problemas financeiros. Isso √© real?

Macedo - A Igreja Universal √© um pronto-socorro espiritual. Ela recebe gente que sofre com os mais variados males, entre eles dificuldades financeiras. Isso me faz lembrar uma importante reflex√£o. Se tanta gente chega arruinada e √© enganada e explorada por n√≥s, como dizem por a√≠, por que elas permanecem na Igreja Universal? O que √© enganado, se deixaria enganar uma √ļnica vez e n√£o voltaria nunca mais. Mas por que existem tantos templos lotados no Brasil? Por que existem tantos membros fi√©is com d√©cadas de Igreja? Como explicar esse crescimento em todo o mundo, acima de culturas, ra√ßas e idiomas? N√£o √© o cumprimento da promessa do bispo Macedo na vida delas. √Č o cumprimento dos juramentos b√≠blicos.

ISTO√Č - Soci√≥logos s√£o un√Ęnimes ao explicar o sucesso da Igreja Universal pela m√°xima de que em seus cultos sustenta-se que a felicidade plena deve ser alcan√ßada e conquistada na vida presente. Ent√£o, no seu entender, como seria a vida eterna, a vida p√≥s-morte?

Macedo - Exatamente como a "B√≠blia" ensina: salva√ß√£o da alma para os que aceitam e praticam essa f√© e condena√ß√£o para os que n√£o aceitam. Isso est√° escrito de maneira simples e objetiva. Acredita quem quer. O destino ap√≥s a morte √© definido pelas escolhas que o ser humano faz em vida. O c√©u e o inferno n√£o s√£o folclore. Aceitar o Senhor Jesus como seu Salvador √© o √ļnico caminho da salva√ß√£o eterna da alma. E essa √© a maior riqueza de qualquer pessoa. N√£o existe bem maior do que a salva√ß√£o da nossa alma.

ISTO√Č - A principal acusa√ß√£o que o levou √† pris√£o foi a de charlatanismo, em raz√£o de cultos em que havia exorcismo. Nos cultos realizados pelo padre Marcelo Rossi, por exemplo, tamb√©m se diz que os dons do Esp√≠rito Santo s√£o usados para a opera√ß√£o de milagres. O que o difere do padre Marcelo?

Macedo - Não tenho a mínima ideia do que acontece em outros lugares. O fato é que a Igreja Universal baseia sua crença cem por cento nos ensinamentos da Palavra de Deus. E na "Bíblia" existem exemplos claros e incontestáveis da manifestação da fé através da realização de curas e da libertação espiritual. Temos milhares de histórias reais de pessoas que experimentaram esses milagres e podem atestar, nos dias de hoje, a veracidade das promessas cristãs. Mas o maior milagre é a conquista da fé inteligente, capaz de gerar uma mudança radical de comportamento, a transformação completa de pensamentos e de valores.

ISTO√Č - No livro, o sr. sugere que as persegui√ß√Ķes contra a Universal aumentaram depois da compra da Record.

Macedo - Como disse, o avan√ßo da Record incomoda muita gente. Crescimento ainda maior da Record significa o fim do monop√≥lio, dos mandos e desmandos de certos bar√Ķes da m√≠dia, de grupos religiosos conservadores contr√°rios √† pr√°tica da f√© que ensina as pessoas a pensar livremente. S√£o esses setores da sociedade que sempre nos atacaram. Muita gente me odeia sem ao menos me conhecer. Pessoas que nem sequer pararam para pensar mais a fundo sobre os princ√≠pios que defendemos. Eu s√≥ quero que elas pensem e n√£o formem suas opini√Ķes pelo que leem nos jornais ou veem na televis√£o. Eu sei que a tend√™ncia da maioria √© ter uma opini√£o negativa sobre n√≥s porque as pessoas sempre foram alimentadas pelas informa√ß√Ķes da m√≠dia. Eu n√£o as culpo. Desejo apenas que pensem. S√≥ isso. Pensem.

ISTO√Č - O sr. interfere no dia a dia da Record? Tem conhecimento pr√©vio do que vai ao ar?

Macedo - Existe um comit√™ de gest√£o formado pela presid√™ncia, vice-presid√™ncias e algumas diretorias estrat√©gicas que tomam as decis√Ķes no dia a dia da Record. Eles se reportam a mim, de tempos em tempos. S√£o profissionais competentes que t√™m feito um √≥timo trabalho e em quem depositamos nossa confian√ßa. Muitas vezes sou surpreendido por uma estreia ou outra no ar. √Č claro que tamb√©m dou minhas opini√Ķes e sugest√Ķes, mas s√£o muito raras. Algumas s√£o reprovadas (risos) e outras aprovadas, como a produ√ß√£o de miniss√©ries b√≠blicas, a exemplo de "Rei Davi". Foi uma inova√ß√£o importante para a televis√£o brasileira. O trabalho foi bel√≠ssimo, alcan√ßou um excelente resultado de audi√™ncia e atingiu diferentes tipos de p√ļblico. A determina√ß√£o geral √© seguirmos firmes na constru√ß√£o de uma emissora de tev√™ com programa√ß√£o diversificada e de qualidade, voltada para todos os brasileiros.

ISTO√Č - Quais os seus planos para o futuro da emissora, j√° que o mercado das comunica√ß√Ķes passa por grande transi√ß√£o?

Macedo - A Record tem um projeto de televisão em andamento. Não vivemos de um acerto pontual ou outro na programação. Construímos um departamento de jornalismo sólido e com credibilidade, uma fábrica de novelas própria com milhares de funcionários e um projeto comercial que conquistou a confiança dos anunciantes. O ano de 2013 será de grandes investimentos em nossa emissora. Nossa meta é a liderança, não importa o tempo que isso demore para acontecer. Nosso foco está bem definido. Vamos chegar lá. Vamos arrebentar.

Fonte: Revista Isto√Č