FG News: Pastor morre durante rebeli√£o em penitenci√°ria

Postado em: 02-02-2013 Conselho Evangélico de Venezuela divulgou que religioso que trabalhava como capelão penitenciário faleceu durante a rebelião.

A Venezuela testemunhou nos √ļltimos dias uma grande rebeli√£o na pris√£o de Uribana, que fica no estado de Lara, noroeste do pa√≠s. Tudo come√ßou durante uma inspe√ß√£o em busca de armas. Um grupo de presos que estavam armados entraram em combate com os membros da Guarda Nacional e a coisa saiu de controle. O vice-presidente, Nicol√°s Maduro, ordenou uma investiga√ß√£o do incidente, um dos epis√≥dios mais violentos nas pris√Ķes do pa√≠s.

Iris Varela, ministra de Assuntos Penitenci√°rios da Venezuela, anunciou que dezenas pessoas morreram durante o motim. ‚ÄúTemos um lament√°vel balan√ßo de 57 pessoas que perderam a vida, tanto aqui dentro da pris√£o quanto fora, por n√£o terem resistido aos ferimentos que sofreram. Somemos a este n√ļmero o corpo de mais uma pessoa, que encontramos queimada‚ÄĚ, declarou.

Estima-se que ainda há 46 pessoas feridas nos hospitais e 49 já receberam alta. Entre os mortos estariam um soldado da Guarda Nacional e um pastor evangélico, informação que foi posteriormente negada. A contagem dos mortos subiu para 61 nos dias seguintes e o governo nega a morte do pastor dentro da penitenciária.

Mas o Conselho Evang√©lico de Venezuela divulgou que Segundo Camejo, religioso que trabalhava como capel√£o penitenci√°rio faleceu durante a rebeli√£o. Um grupo de pastores, liderados por Santiago Travieso e Ram√≥n Castillo, ajudou nas negocia√ß√Ķes para terminar a confus√£o na penitenci√°ria. Alguns desses pastores foram atender um pedido dos presos para ajudarem a encontrar uma solu√ß√£o pac√≠fica e negociar com representantes do Estado.

O governo anunciou que ser√° feita uma ‚Äúper√≠cia profunda‚ÄĚ na pris√£o, que deve ser reformada para receber novamente os presos. Como √© realidade na maioria dos pa√≠ses da Am√©rica Latina, os c√°rceres venezuelanos enfrentam problemas de insalubridade, superlota√ß√£o e viol√™ncia, sendo dominado por fac√ß√Ķes criminosas, o que resulta em seguidos confrontos internos.

Segundo ativistas de direitos humanos, em 2011 mais de 500 presos perderam a vida. Informa√ß√Ķes do governo mostram que h√° cerca de 50.000 presos na Venezuela, mas a infraestrutura teria capacidade para abrigar apenas 14.000.

Fonte: Gospel Prime com informa√ß√Ķes Poderygloria.net.