FG News: Igreja Católica começa a definir futuro em conclave

Postado em: 12-03-2013 Um mês depois da primeira renúncia de um papa em 600 anos e ainda sob a sombra de escândalos que mancharam a imagem do Vaticano, a Igreja Católica começa hoje a definir o seu futuro no conclave que escolherá o sucessor de Bento 16.

A eleição secreta contará com 115 cardeais e terá início sem um franco favorito, embora o italiano Angelo Scola e o brasileiro Odilo Scherer, arcebispo de São Paulo, venham sendo apontados como candidatos mais fortes nos últimos dias.

O processo termina quando um dos concorrentes forma maioria de dois terços, ultrapassando 77 votos. Hoje só está prevista uma votação, e os fiéis devem esperar ao menos mais um dia até verem a fumaça branca na chaminé da Capela Sistina, simbolizando a escolha de um novo papa.

"Amanhã [hoje] é de se esperar a fumaça negra", avisou o porta-voz da Santa Sé, padre Federico Lombardi.

Os últimos 15 conclaves levaram no mínimo dois dias. A primeira votação costuma servir como uma espécie de peneira para selecionar os candidatos que vão polarizar a disputa.

Além de Scola e Scherer, aparecem nas listas de mais cotados o canadense Marc Oullet, os americanos Sean O'Malley e Timothy Dolan, o húngaro Peter Erdo e o italiano Gianfranco Ravasi.

Diante de um cenário incerto, a maioria dos vaticanistas não descarta a vitória de um azarão, a exemplo da eleição de João Paulo 2º, em 1978.

Entre as principais incógnitas deste ano, está a influência do papa emérito Bento 16, que continua recolhido na residência de Castel Gandolfo. Ele nomeou 67 dos 115 votantes e não declarou preferência por um candidato.

A imprensa italiana tem apresentado Scola como o cardeal que representa a ala reformista. Scherer é visto como o mais próximo à Cúria.

O ritual da eleição secreta será iniciado às 7h (3h de Brasília), quando os eleitores começarão a chegar. Às 10h30, eles rezarão missa na Basílica de São Pedro, em sua última aparição pública.

A procissão para a Capela Sistina, local das votações secretas, está marcada para as 16h30. A partir daí, as portas serão trancadas e os eleitores ficarão a sós para decidir diante do afresco do "Juízo Final" de Michelangelo.

Eles ficarão isolados, sem acesso a telefone, jornais e televisão. O número de votos de cada candidato nunca será anunciado oficialmente, mas costuma vazar após a eleição.

Cerca de 90 funcionários do Vaticano que prestarão serviços de apoio, como médicos e cozinheiros, já fizeram juramento de sigilo.

Ontem, o jornalista italiano Gianluigi Nuzzi, autor do livro "Sua Santidade", sobre o caso Vatileaks, disse, pelo Twitter, que teve sua credencial para cobrir o conclave negada pelo Vaticano.

Fonte: Folha de São Paulo