Missões: Em meio à grande fuga de cristãos, Oriente Médio vê o surgimento de novos crentes

Postado em: 14-11-2016 Imagem redimensionada

Enquanto muitos cristãos fogem da guerra e da perseguição na Síria, um cristão de Aleppo disse que outros novos crentes em Jesus estão se convertendo à fé cristã nas igrejas do país. Rami (cujo nome foi alterado por razões de segurança) coordena a "Hope for the Middle East" (Esperança para o Oriente Médio, em tradução livre), uma campanha de caridade do Ministério Portas Abertas que já dura sete anos.

Rami espera ganhar um milhão de assinaturas apoiando a igreja cristã que permanece no Oriente Médio. E por mais que as pessoas estejam conhecendo a Deus em meio a dificuldades extremas, ele diz que a igreja síria precisa do apoio dos cristãos ao redor do mundo.

Ele ainda relatou para organização “World Watch Monitor” (WWM): "Eu sou de Aleppo. Há cerca de cinco anos me mudei para o Reino Unido com o objetivo de estudar. No verão de 2012 eu terminei meu curso e planejei voltar. Os protestos contra o regime de Assad começaram a aumentar. Vários voos foram cancelados e várias fronteiras foram fechadas. Eu estava mesmo pronto para o meu retorno, mas de repente eu não podia voltar”, relatou.

“Minha família e amigos ainda viviam em Aleppo. Eu me sentia tão longe deles. Lia notícias sobre Aleppo e me perguntava: ‘Onde isso aconteceu, como isso afetou as pessoas que conheço?’”, ressaltou.

Ele continuou: "Alguns partiram de Aleppo, mas muitos permanecem na parte ocidental controlada pelo governo da cidade. Meus pais também, eles não querem que eu me preocupe e geralmente falam sobre coisas gerais”, disse. “Se eu quiser saber de coisas específicas como: ‘Você tem comida e água suficiente?’, preciso fazer perguntas específicas”.

Igrejas cheias

Mas, embora centenas de milhares de pessoas estejam fugindo da Síria, as igrejas permanecem cheias. Foi o que Rami disse: "Deus tem sido muito fiel. Os recém-chegados preenchem a lacuna. Alguns são cristãos de outras igrejas, outros são novos convertidos com um passado muçulmano. A igreja tem mudado drasticamente”, pontuou.

“Não é seguro viajar à noite. É por isso que todos os cultos ou atividades da noite foram cancelados ou alterados para um horário durante o dia”.

Rami ainda disse que enquanto muitos cristãos estão deixando o Oriente Médio, aqueles que permanecem são "embaixadores de Deus". "Vemos algo no Oriente Médio que é muito claro: o enorme êxodo dos cristãos. Ao mesmo tempo, a Igreja global reconhece a importância de que a presença dos cristãos seja preservada no Oriente Médio. Se os cristãos deixarem o Oriente Médio é como se a presença de Deus estivesse saindo do Oriente Médio. A presença da Igreja é vitalmente importante. As pessoas estão desesperadas e veem pouca esperança. O fato de que ainda há uma Igreja lhes dá encorajamento e esperança", alertou.

Descrevendo sua campanha, ele disse: "Convidamos um milhão de pessoas e queremos apresentar essas assinaturas ao novo Secretário-Geral da ONU no dia 20 de junho de 2017, Dia Mundial do Refugiado”, finalizou.

Fonte: Guia-me