Tecnologia: Ataques cibernéticos causaram prejuízos de mais de US$ 5 bi em 2016

Postado em: 07-06-2017 Imagem redimensionada

Ataques cibern√©ticos globais, como o que afetou 150 pa√≠ses este m√™s podem se tornar mais frequentes e mais dif√≠ceis de combater. Uma estimativa da Cyberventures ‚Äď consultoria internacional na √°rea de seguran√ßa na internet ‚Äď, os danos causados por crimes cometidos por invasores virtuais (os crakers), como o ransomware (sequestro de dados) causaram preju√≠zos mundiais de mais US$ 5 bilh√Ķes em 2016. A previs√£o da consultoria √© que os crimes cibern√©ticos custem ao mundo US$ 6 trilh√Ķes at√© 2021.

Nos Estados Unidos, 72% das empresas com mais de 250 empregados sofreram ao menos um ataque cibernético em 2016, e 60% das empresas com menos de 250 empregados também foram alvos. Segundo relatório sobre cibercrimes da consultoria, ainda prevalece o pensamento de corrigir danos em vez de preveni-los. As empresas, não só nos Estados Unidos, tendem a começar a investir quando começam a ter problemas frequentes. “O aumento dos ataques a empresas norte-americanas levou ao crescimento de 63% nos investimentos em prevenção“, diz o relatório.

AM√ČRICA LATINA

Em rela√ß√£o √† Am√©rica Latina, os ataques s√£o constantes: ao menos 12 registros de invas√£o por programas maliciosos ‚Äď os chamados malwares ‚Äď s√£o contabilizados, por segundo, no continente, de acordo com estimativa da empresa de seguran√ßa da informa√ß√£o russa, Kaspersky. De acordo com a companhia, malwares representam 82% de quase 400 milh√Ķes de ciberataques identificados. O estudo do ano passado, mostrou Bol√≠via, Chile, Col√īmbia, M√©xico e Peru com a m√©dia de quatro ataques para cada dez computadores.

BRASIL

Segundo a empresa russa, o Brasil √© um dos pa√≠ses mais vulner√°veis do mundo ao ransonware. Aparece em quinto lugar, √† frente dos Estados Unidos, Argentina e Tail√Ęndia. Segundo a Kaspersky, mais da metade dos computadores brasileiros analisados (49%) j√° foram alvos de amea√ßas. O √ćndice de Seguran√ßa Cibern√©tica global (GCI, sigla ingl√™s), criado pela consultoria ABI Research, mede o n√≠vel de desenvolvimento de seguran√ßa √† informa√ß√£o de um pa√≠s. No relat√≥rio de 2015, o Brasil aparece em s√©timo lugar. No topo da lista est√£o Estados Unidos, seguido do Canad√°, Austr√°lia e Mal√°sia.O √≠ndice vai de uma escala de 0 a 1. Os Estados Unidos aparecem com 0.824, Canad√° com 0.794, Austr√°lia e Mal√°sia com 0.765. O Brasil tem √≠ndice de 0.706.

O índice é calculado a partir de cinco aspectos: medidas legais, técnicas, organizacionais, capacitação e cooperação internacional para o setor da segurança cibernética. Segundo a ABI, o GCI reflete a capacidade dos países de reagirem a ataques (prontidão de segurança cibernética) e as estruturas disponíveis para promover a segurança cibernética.

DETECÇÃO PRECOCE

Alguns pa√≠ses j√° t√™m uma cultura maior para a preven√ß√£o, como Estados Unidos, Alemanha e Reino Unido. Mesmo assim, o relat√≥rio de 2017 sobre o n√≠vel de preparo das empresas para enfrentar amea√ßas cibern√©ticas aponta que nos tr√™s pa√≠ses mais da metade (53%) das empresas est√£o mal preparadas para lidar com ataques cibern√©ticos. O relat√≥rio aponta que o grande desafio √© desenvolver sistemas e proteger a empresa, detectando invas√Ķes precocemente. Nos Estados Unidos, 44% das empresas demoram mais de dias para detectar invas√Ķes, e 54% levam mais de dois dias para conseguir voltar a funcionar normalmente ap√≥s um ataque.

Segundo a ABI Research, os preju√≠zos acumulados no ano passado devido a ataques somam US$ 450 bilh√Ķes. Desse montante, US$ 2 bilh√Ķes s√£o de registos pessoais. No universo dos crimes, o que cresceu em maior escala foi o ransomware. ‚ÄúSequestrar dados e apreender informa√ß√£o se tornou um neg√≥cio lucrativo para criminosos‚ÄĚ, apontou estudo da consultoria.

AMEAÇA REAL

O ataque global do dia 12 de maio foi feito com WannaCry, ou Wcrypt, um tipo de v√≠rus que j√° atacou empresas famosas, grandes companhias a√©reas, bancos, hospitais e pequenos neg√≥cios. O v√≠rus √© um tipo de ransomware que criptografa centenas de arquivos. Em geral, os criminosos chantegeiam os usu√°rios, tr√™s dias antes do ataque. Em apenas quatro dias, o WannaCry provocou preju√≠zos que excedem bilh√Ķes de d√≥lares segundo as consultorias de seguran√ßa na internet. De acordo com um levantamento da Kasbersky, s√≥ na Am√©rica Latina, durante os quatro dias de atividade do WannaCry em maio, os crakers conseguiram arrecadar ilegalmente, com o pagamento de resgates, US$ 62 mil, s√≥ falando de usu√°rios comuns. As estat√≠sticas dos consultores de tecnologia mostram que 91% dos ataques mais sofisticados come√ßam por e-mail. Al√©m disso, h√° um alto √≠ndice de contamina√ß√£o por meio do uso de cabos USB e pen drives.

DEFESA CIBERN√ČTICA

No Brasil, a Estrat√©gia Nacional de Defesa estabeleceu tr√™s setores estrat√©gicos para a Defesa Nacional: Nuclear, Espacial e Cibern√©tico. Coube ao Ex√©rcito Brasileiro (EB) desenvolver a estrat√©gia de defesa cibern√©tica. O Projeto Estrat√©gico de Defesa Cibern√©tica, criado em 2016, possui oito projetos estruturantes, dos quais √© poss√≠vel assinalar o Planejamento e Execu√ß√£o da Seguran√ßa Cibern√©tica, o de Estrutura de Pesquisa Cient√≠fica na √Ārea Cibern√©tica e a Produ√ß√£o de doutrina espec√≠fica para este tipo de atividade.

Fonte: Kaspersky