FG News: Igreja de Cassiane e Jairinho tinha aluguel pago com dinheiro desviado, diz MP-SP

Postado em: 16-06-2017 Imagem redimensionada

A Assembleia de Deus Alphaville ou AD Alpha, conhecida por ser a igreja de Cassiane e Jairinho teve seu nome envolvido numa denúncia do Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP).

A Justiça decretou a prisão preventiva de dois réus pelos crimes de peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro envolvendo a saúde pública do município de Cajamar. A denúncia foi oferecida pela promotora de Justiça Thaís de Almeida Smanio.

Os crimes aconteceram quando Luiz Teixeira da Silva Junior atuava como procurador e representante Federação Nacional das Entidades Sociais e Comunitárias (Fenaesc), contratada pelo município de Cajamar para gerir o Hospital Municipal Enfermeiro Antônio Policarpo de Oliveira. Silva Junior contratou sua esposa, Liliane Bernardo Rios da Silva, para a diretoria financeira da federação com remuneração mensal de R$ 14 mil, embora ela nunca tenha exercido de fato essa função.

O réu firmou contrato de prestação de serviços médicos com a empresa Nossa Senhora do Livramento Remoções Ltda., criada e registrada em nome de “laranjas”. Quem realmente administrava a empresa eram Silva Junior e Liliane, com o objetivo de dissimular as movimentações financeiras e encobrir a origem e destinação das quantias desviadas. Mensalmente eram repassadas quantias vultosas da conta da federação para a conta da empresa para o pagamento dos médicos contratados.

O casal ordenava aos funcionários do setor financeiro da Fenaesc que elaborassem notas fiscais para pagamento dos médicos com valor superfaturado. Desta forma, o valor que constava nas notas era repassado da federação para a Livramento e a diferença era desviada para as contas particulares dos réus. Os desvios ocorreram pelo menos 108 vezes.

A investigação revelou que SIlva Junior e Liliane usavam o dinheiro para o pagamento do aluguel da igreja que frequentavam, a AD Alpha, através da empresa Interunion, no valor de R$ 70 mil mensais. Eram feitos, ainda, pagamentos mensais para a matriz da Fenaesc, que na realidade eram destinados à empresa pertencente Luiz Cesar Piedade Novaes, diretor estatutário da federação e um dos denunciados pela promotora de Justiça.

Outro réu é Leonardo Deruiche Martins, responsável por falsificar documentos, como notas fiscais e declarações. Ele é dono de um jornal e de uma revista de Cajamar e foi contratado por Teixeira para prestar serviços de comunicação.

Até o momento a liderança da igreja AD Alpha não se manifestou sobre as denúncias.

Fonte: Site do Ministério Público do Estado de São Paulo