FG News: Deputados evang√©licos preparam ofensiva contra Rodrigo Janot, procurador-geral da Rep√ļblica

Postado em: 16-06-2017 Imagem redimensionada

O procurador-geral da Rep√ļblica, Rodrigo Janot, vem mantendo posi√ß√£o firme contra leis municipais que pro√≠bem o ensino de educa√ß√£o sexual e ideologia de g√™nero.

Com isso, deputados evang√©licos planejam uma visita √† PGR na pr√≥xima ter√ßa (20). Segundo Ezequiel Teixeira (Podemos-RJ), a atitude de Janot √© autorit√°ria. Ele far√° um discurso contra a atitude no plen√°rio da C√Ęmara.

‚ÄúQuerem, de qualquer forma, nos enfiar goela abaixo a doutrina√ß√£o de nossas crian√ßas e adolescentes nas escolas‚ÄĚ, disse.

A PGR j√° apresentou a√ß√Ķes para derrubar a proibi√ß√£o nas cidades de Cascavel (PR), Blumenau (SC), Paranagu√° (PR), Palmas (TO), Novo Gama (GO), Ipatinga (MG) e Tubar√£o (SC).

Indignação

O deputado S√≥stenes Cavalcante (DEM-RJ) ficou indignado com a ofensiva da Procuradoria Geral da Rep√ļblica (PGR) contra seis prefeituras que barraram o ensino da ideologia de g√™nero em suas escolas.

Atrav√©s de sua assessoria, o parlamentar comentou a not√≠cia dizendo que estar ‚Äúextremamente perplexo‚ÄĚ com a forma como o procurador Rodrigo Janot resolveu tratar o caso.

‚ÄúQuero dizer que √© muito estranho o Procurador Geral da Rep√ļblica emitir opini√£o sobre motiva√ß√£o religiosa, afinal de contas √© dever Constitucional a livre manifesta√ß√£o religiosa‚ÄĚ, disse S√≥stenes ao citar o artigo 5¬ļ da Constitui√ß√£o.

Refutando que a decisão das prefeituras se baseiam em uma religião, o deputado lembra que o Congresso Nacional impediu o ensino de gênero na Base Comum Curricular e em Brasília nem todos os parlamentares estão ligados à uma religião.

‚ÄúO que realmente queremos √© tratar nossos alunos de forma igualit√°ria, nem prestigiando uns pela op√ß√£o sexual, nem depreciando outros por possu√≠rem e professarem sua f√©. Prezamos pela qualidade na Educa√ß√£o, e a garantia de que nossos filhos e filhas n√£o ser√£o doutrinados por professores mal-intencionados‚ÄĚ, declarou.

Para o deputado, fica claro que h√° muitos ju√≠zes envolvidos em causas de grupos espec√≠ficos, no lugar de pensar no bem comum para todos os brasileiros. S√≥stenes Cavalcante lembra tamb√©m que Janot pediu, em 2015, o fim de obrigatoriedade da B√≠blia em escolas e bibliotecas p√ļblicas, contrariando leis estaduais do Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Amazonas e Mato Grosso do Sul.

Outro caso citado pelo deputado carioca aconteceu em outubro do ano passado quando Janot emitiu parecer contra a Lei alagoana 7.800/15, que instituiu o Programa Escola Livre, proposta baseada no projeto Escola Sem Partido ‚Äď que pro√≠be qualquer afronta a convic√ß√Ķes religiosas ou morais dos pais e dos alunos e a apresenta√ß√£o de conte√ļdo ‚Äúideol√≥gico‚ÄĚ aos estudantes.

Fonte: Veja.com e JM Notícia