FG News: ReflexÔes evangélicas ante declaraçÔes do Vaticano

Postado em: 16-07-2007 O documento "Respostas a algumas perguntas acerca de certos aspectos da doutrina sobre a Igreja", emitido pela Congregação para a Doutrina da FĂ© (ex-Santo Oficio), que fora presidida pelo papa Bento XVI, continua gerando reflexĂ”es, dĂșvidas e inquietudes nas comunidades evangĂ©licas.

O secretårio geral do Conselho Latino-Americano de Igrejas (CLAI), reverendo Israel Batista, ficou surpreso com tal documento "porque creio sempre na conversão", embora reconheça que era algo esperado, "jå que a partir de estruturas de poder, incapazes de ler os sinais dos tempos, é difícil a abertura".

Concordando com Batista ao afirmar que o caminho adotado pela Igreja CatĂłlica Romana (ICR) provoca fechamento ao invĂ©s de abertura, o pastor da Igreja Reformada Argentina, Roberto Jordan, disse que vai trata-se, sem dĂșvida, de um retorno ao passado, que apaga, passo a passo, “as decisĂ”es mais relevantes do ConcĂ­lio Vaticano II. Um retorno que Ă© doloroso, triste e absolutamente desnecessĂĄrio".

O que se vĂȘ hoje, enfatizou Jordan, â€œĂ© a continuação das sançÔes de anos passados e de meses recentes ao pensamento mais progressista dentro da Igreja CatĂłlico Romana e, ao mesmo tempo, uma centralização do poder em Roma. Todo pensamento aberto, progressista e criativo Ă© obrigado a calar, Ă© excluĂ­do. Apaga-se com o cotovelo o afirmado nos diĂĄlogos bilaterais. Em pleno sĂ©culo XXI isto Ă© bem mais do que um retrocesso".

O presidente da Aliança de Igrejas EvangĂ©licas da Argentina (ACIERA), pastor RubĂ©n Proietti, disse que ainda nĂŁo tem opiniĂŁo definida sobre este papa. Sobre a imagem de ecumenismo nascida no Vaticano "me parece que hĂĄ atitudes muito contraditĂłrias", afirmou. A prĂłpria SĂ© vaticana deu marchas e contramarchas. "Hoje as expressĂ”es sĂŁo absolutistas, fundamentalistas, nas quais a Ășnica maneira de ver e de pensar as coisas passam pelo papa e o Vaticano. NinguĂ©m mais do que a Igreja CatĂłlica romana Ă© igreja
 Nessas atitudes e em outras o ecumenismo que eles mesmos fomentam encontraria indubitĂĄveis tropeços", sublinhou.

A Federação de Entidades EvangĂ©licas da Espanha (FEREDE), num extenso comunicado, expressa que falar de ecumenismo em termos cristĂŁos sĂł Ă© possĂ­vel a partir de um correto discernimento do Corpo de Cristo (1 CorĂ­ntios 11,29), “que permita reconhecer nossos irmĂŁos como iguais, acima de nossas diferentes sensibilidades teolĂłgicas, manifestaçÔes litĂșrgicas, estruturas orgĂąnicas, e/ou cultura eclesiolĂłgica."

Mas o que sente quem vive o dia-a-dia do ecumenismo na missĂŁo, na oração, na comunhĂŁo? Reina o desconcerto em pessoas que ontem viveram expressĂ”es genuĂ­nas de unidade e respeito e hoje lĂȘem com assombro o que afirma sua Igreja.

Batista faz eco desse sentimento solidarizando-se com tantos sacerdotes, fiĂ©is e atĂ© bispos catĂłlicos que vivem uma prĂĄtica e um espĂ­rito de unidade cotidiana. "DeclaraçÔes como estas engendram sofrimento, porque o amor Ă© praticado em nossas congregaçÔes e parĂłquias. NĂŁo percamos de vista o essencial e o que avançamos: a unidade na missĂŁo. Uma unidade para que o mundo creia, uma unidade para ser mensageiros de justiça, paz e vida”, assinalou, conclamando o povo cristĂŁo a seguir avançando e afirmando “a unidade dessa igreja de Cristo em sua diversidade".

Fonte: ALC