FG News: CNBB lança no PR uma cartilha de orientação política

Postado em: 28-03-2008 A Regional Sul 2 da Confer√™ncia Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), com abrang√™ncia no Paran√°, apresentou aos fi√©is uma Cartilha de Orienta√ß√£o Pol√≠tica com o objetivo de "ajudar no discernimento do perfil √©tico e das verdadeiras motiva√ß√Ķes daqueles que se apresentam como candidatos" √†s elei√ß√Ķes municipais de outubro.

"A Igreja é proibida de exercer a política partidária e, neste caso, está orientando e fazendo uma ação política que visa a um bem comum", justifica o secretário-geral da regional, padre Carlos Alberto Chiquim.

O documento tem 20 p√°ginas e, segundo Chiquim, est√° fundamentado na Doutrina Social da Igreja. Na apresenta√ß√£o, o arcebispo de Curitiba e presidente da Regional Sul 2, dom Moacyr Jos√© Vitti, ressalta que a sociedade est√° "profundamente indignada" com a falta de √©tica na pol√≠tica. "A corrup√ß√£o eleitoral est√° presente em todos os √Ęmbitos", salienta. "√Č preciso instalar uma nova consci√™ncia pol√≠tica iluminada pelo lema que mobilizou os movimentos sociais nos √ļltimos anos: ''voto n√£o tem pre√ßo, tem conseq√ľ√™ncias''."

Na cartilha, a Igreja discute conceitos de pol√≠tica e explica os deveres e direitos dos eleitos e eleitores. Ela destaca que pol√≠tica n√£o se restringe √†s elei√ß√Ķes, mas envolve toda a vida do cidad√£o, que √© convidado a dela participar. "Politicagem √© o abuso da ordem pol√≠tica, √© o n√£o atendimento ao bem comum", diz. "Quem n√£o participa da pol√≠tica favorece a politicagem e promove os politiqueiros." Para isso, a orienta√ß√£o √© que as informa√ß√Ķes da cartilha sejam discutidas com a fam√≠lia, amigos e a comunidade.

O voto √© aconselhado. "Deixar de votar ou votar em branco √© um crime contra a cidadania", afirma. A palavra candidato, discorre a cartilha, tem origem latina e significa c√Ęndido, puro, branco. Na Roma Antiga, quem queria disputar cargo eletivo punha a t√ļnica branca, que era s√≠mbolo de vida correta. "Se algu√©m tivesse conhecimento de algo de errado tinha o direito e o dever de jogar lama nele, e a√≠ n√£o podia mais disputar o Senado romano", diz o padre Chiquim.

Princípios

Por isso, a Igreja aconselha que se analisem alguns princ√≠pios aos se escolher o candidato. A defesa da dignidade da pessoa e da vida √© o primeiro deles. "N√£o devemos votar em candidatos que defendam projetos que visem a legitimar o aborto e a eutan√°sia", decreta. Os outros s√£o honestidade pessoal, compromisso com pol√≠ticas p√ļblicas e com a comunidade, transpar√™ncia, capacidade para administrar e campanha modesta. "Desconfie das campanhas milion√°rias. Elas facilitam a compra de votos e o eleito vai querer recuperar o investimento feito", alerta.

A Igreja pede, ainda, que os eleitores fiquem atentos para as tentativas de compra de voto. "Os políticos que compram ou trocam o voto por favores não assumem compromissos, pois já pagaram ao povo o que receberam", diz a cartilha. A orientação é para que essas tentativas sejam denunciadas à Justiça Eleitoral. "Precisamos denunciar os políticos aproveitadores, os sem caráter, os inescrupulosos que enganam os eleitores", convoca. "Vamos trabalhar para que os maus políticos não sejam eleitos."

Fonte: Estad√£o