A diferença entre amar e gostar

Coluna: Reflexão
Autor: Caio Fábio

Às vezes a gente ama e gosta. Outras vezes a gente ama, mas não gosta. Mas o chamado de Jesus é para amar até quem não se gosta.

Não dá para ser saudável e gostar do inimigo, do perseguidor, do falsificador da vida. Todavia, é possível amá-lo. Esta é a aparente contradição de Jesus. Sim, Ele amava a todos, mas não gostava de um monte de coisas; e, de certo modo, de um monte de gente. Mas amava. E ensinou que é possível e necessário amar, mesmo quando se aborrece alguém. Às vezes se aborrece algo... Então é fácil separar as coisas. Mas outras vezes a coisa e pessoa se fundiram de tal modo que não dá para separar. Entretanto, mesmo assim, é possível amar; pois amor, nesse nível, não demanda sentimento, mas tão somente CONSCIÊNCIA. Amar o adversário, o inimigo, o falsificador de Deus -- acontece assim, nessa dialética que só cabe no amor segundo Jesus. A ira de Jesus é cheia de amor desgostoso e ferino como uma espada de dois gumes! Não amar quando não se gosta, não nos é permitido! Até o abomináveis precisam ser amados com oração! No entanto, isso não significa ódio. Apenas quem não conheceu ainda o Evangelho é que pensa que não gostar implica em não amar. O amor por quem não se gosta não carrega nenhum prazer, e, por vezes, vem cheio de enfrentamento e denuncia, como se vê nas práticas de Jesus! "Ai de vós fariseus" [Mt 23] - é uma fala de um amor desgostado, mas é amor! Para os religiosos, todavia, amar implica em acordo ou em silêncio obsequioso, mesmo quando se desgosta de tudo. Em Jesus, no entanto, não é assim.... Porém, ninguém entenderá isso sem que antes fique cheio do Espírito de Cristo! Minha recomendação é uma só: Leia os evangelhos de carreirinha e você entenderá. Lendo "fragmentos" você nunca entenderá o que Jesus não ensinou para ser fragmentado ou selecionado. Quem me dera um dia você entendesse isso! Até lá, eu digo com todo amor desgostado: SOFREREI A SUA ESTUPIDEZ COM TODO AMOR E PACIÊNCIA! Nele, que nunca não amou; e que nunca por amar deixou de dizer a verdade como as circunstâncias pediam; ora com denuncia explicita, ora com ironia ou sarcasmo, ora com o grito do inferno ungido pelo clamor do reino de Deus, Caio

Published:  13-02-2013