Morreu na madrugada deste domingo o cardeal d. Aloísio Lorscheider, 83, arcebispo emérito de Aparecida (167 km a nordeste de São Paulo) e ex-presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil). Ele estava internado no hospital São Francisco, em Porto Alegre, desde o último dia 10 de quando sofreu uma convulsão.

Seu corpo será velado na catedral de Porto Alegre e o sepultamento será no Convento de Daltro Filho, a 130 km de Porto Alegre. O dia e o horário do sepultamento ainda não foram definidos, de acordo com a CNBB.

Gaúcho de Estrela, d. Aloísio era franciscano e foi ordenado presbítero em 1948. Em 1962 foi ordenado bispo e assumiu a diocese de Santo Ângelo (RS) e tornou-se arcebispo de Fortaleza (CE) em 1973 onde ficou até 1995. Naquele ano, foi transferido para Aparecida, tornando-se arcebispo emérito em 2004.

Entre as muitas atividades desenvolvidas pelo cardeal, destaca-se a presidência da CNBB, cargo que exerceu por dois mandatos de 1971 a 1978. Antes, foi secretário geral da instituição. Foi também presidente do Celam (Conselho Episcopal Latino-Americano) no período de 1976 a 1979.

Criado cardeal pelo papa Paulo 6º, em 1976, d. Aloísio participou dos conclaves –cerimônia fechada em que o futuro papa é escolhido– que elegeram os papas João Paulo 1º e João Paulo 2º, ambos em 1978.

Leia íntegra da nota da arquidiocese de Aparecida sobre a morte de d. Aloísio

Leia na íntegra a nota oficial da arquidiocese de Aparecida sobre a morte de seu arcebispo emérito, d. Aloísio Lorscheider:

“Com profundo pesar, comunico a todo o povo de Deus da Arquidiocese de Aparecida o falecimento do querido irmão no episcopado, o Arcebispo Emérito de Aparecida, cardeal dom Aloísio Lorscheider, ocorrido no dia, 23 de dezembro de 2007, às 5h30, no hospital São Francisco em Porto Alegre (RS).

Convido a todos a agradecerem e a louvarem a Deus pelo bem que dom Aloísio realizou como religioso franciscano, bispo e cardeal da Santa Igreja Católica.

Dom Aloísio foi bispo de Santo Ângelo, no Rio Grande do Sul; Arcebispo de Fortaleza, no Ceará, e de Aparecida, sua última sede, onde permaneceu até março de 2004. Exerceu importantes cargos na igreja, tendo-os desempenhado com grande dedicação e competência: Secretário-Geral e Presidente da CNBB [Conferência Nacional dos Bispos do Brasil], Presidente do Celam [Conselho Episcopal Latino-Americano] e da Cáritas Internacional, e um dos presidentes da 3ª Conferência Geral dos Bispos da América Latina e do Caribe, em Puebla, no ano de 1979.

Rogo a todos que conheceram dom Aloísio e se beneficiaram de seu ministério, para que peçam a Deus, por intercessão da bem-aventurada Virgem Maria, de quem foi grande devoto, de São José e de São Francisco que o atraiu à vida religiosa franciscana, que receba na sua glória, o querido irmão, que a amou e o serviu fielmente durante toda vida.

Dom Raymundo Damasceno Assis, arcebispo de Aparecida”.

A arquidiocese informou que todas as missas celebradas hoje no Santuário Nacional de Aparecida serão em intenção especial de d. Aloísio. Um quadro do cardeal permanecerá durante as celebrações no altar central da basílica.

De acordo com a CNBB, o corpo de d. Aloísio será velado na catedral de Porto Alegre e o sepultamento será no Convento de Daltro Filho, a 130 km de Porto Alegre. O dia e o horário do sepultamento ainda não foram definidos, segundo a CNBB.

Dom Aloísio deu entrada no hospital em 28 de novembro devido à insuficiência cardíaca, que já apresentava havia meses. O quadro se agravou no dia 11 de dezembro, quando sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC) e entrou em coma profundo. Esta foi a quarta internação na instituição só este ano.

Fonte: Folha Online