A Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão do Ministério Público Federal de São Paulo, solicitou a tomada de providências sobre as declarações homofóbicas do Pastor Silas Malafaia (foto) feitas no último dia 4 de agosto, em seu programa de televisão “Vitória em Cristo”.

A procuradora Adriana da Silva Fernandes, informou que a ação foi juntada ao procedimento administrativo nº 1.29.000.000156/2004-59, e já foram encaminhados ofícios às emissoras para pronunciamento sobre o fato.

A Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) já havia encaminhado a denúncia sobre as declarações do pastor para o Ministério Público, a Ouvidora do Ministério das Comunicações e também para o sistema de denúncias da Campanha Ética na TV, da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados.

No programa de 4 de agosto, Silas Malafaia passou quase uma hora pregando contra os homossexuais. Para Malafaia, as “ciências humanas dizem que quanto mais legalizar, mais ser humano se torna insatisfeito e perde referência. A ciência e a teologia concordam que Deus fez macho e fêmea e não uma sociedade de andróginos e bissexuais. Não existem cromossomas(sic) homossexuais, portanto essa tese é furada.”

Os pastor também atacou os grupos GLBT e afirmou que a mídia está contaminada por homossexuais: “qualquer pessoa que se oponha a prática da homossexualidade é rotulada de ignorante. As centrais de jornalismo e as novelas estão empestadas (sic) de homossexuais, eles são bem organizados e qualquer um que levante interesses contrários da comunidade homossexual é bombardeado.”

“A homossexualidade é uma rebelião consciente contra a criação, uma distorção da imagem de Deus.” “Se um cheirador de cocaína pode deixar as drogas, um homossexual pode deixar a homossexualidade.”, continuou Malafaia.

“Pode querer me processar, eu pago esse programa e tenho direito de expressar minha opinião”,finalizou o pastor em seu programa que pode ser assistido em http://www.prsilasmalafaia.com.br/

Fonte: Agência Aids