Na ilha predominantemente muçulmana de Mindanao, no sul das Filipinas, cidadãos comuns realizaram patrulhas na noite de Natal ao redor das igrejas para permitir as celebrações em massa dos cristãos e evitar um possível ataque por parte de radicais islâmicos.

No domingo de véspera, voluntários muçulmanos iniciaram um ciclo noturno, onde se revezaram por períodos, para proteger as igrejas e permitir que as festividades cristãs acontecessem em paz.
Como forma de gratidão aos jovens que estavam provendo “ajuda e proteção” nas imediações dos lugares cristãos de adoração, a comunidade lhes oferecia comida e bebida.

Diversos líderes islâmicos das províncias de Basilan, Lanao Sur, Maguindanao, Sulu e de Tawi-Tawi emitiram éditos islâmicos (fatwas) para lembrar que o terrorismo é proibido entre os muçulmanos e que o próprio profeta Maomé garantiu aos cristãos proteção e liberdade de culto.

“Eu prometi aos residentes cristãos proteção igualitária, perguntei aos muçulmanos e cristãos daqui se eles poderiam manter suas convicções religiosas em respeito mútuo”, disse Sukarno Utto, chefe da aldeia de Shariff Kabunsuan, na cidade de Maguindanao.

Exemplo de cristianismo

“Por isto nós nos juntamos à polícia local e realizamos patrulhas noturnas, especialmente durante a Simbang Gabi (o amanhecer)”, uma tradição filipina que existe há séculos, na qual todo o povo se reúne às 4 da manhã nas igrejas até o dia de Natal”, contou Sukarno.

Autoridades e a polícia expressaram “satisfação” pela iniciativa tomada pelos civis muçulmanos. De acordo com o chefe de polícia da cidade, Willy Dangane, esta atitude deve ser elogiada. “É especialmente importante porque a polícia faz tudo o que pode, mas ainda precisa da ajuda real dos cidadãos para manter a paz e a estabilidade.”

Fonte: Portas Abertas