No dia Mundial de Ação pela Saúde das Mulheres comemorado dia 28 de Maio, argentinos a favor do aborto foram as ruas protestar e pedir que o Legislativo discuta um projeto sobre o tema.

Partidos políticos e sociais e organizações feministas da Argentina pediram aos legisladores que não continuem postergando o projeto de lei apresentado pela Campanha Nacional pelo Direito ao Aborto Legal, Seguro e Gratuito.

O Código Penal argentino permite somente os abortos em casos de perigo para a vida ou à saúde da mãe, violação ou abuso a uma mulher incapacitada.

A revista inglesa Lancet, uma das publicações médicas mais influentes do mundo divulgou no início deste ano uma pesquisa realizada pela Organização Mundial da Saúde comprovando que a taxa de aborto é maior nos países onde a prática é proibida.

A revista ainda publicou que quase metade de todos os abortos feitos no mundo é realizada com altos riscos à mulher.

Em Portugal o aborto foi legalizado em 2007 permitindo a prática até a décima semana de gravidez se assim quiser a mulher independentemente dos motivos.

No Brasil, recentemente, foi aprovado pela Comissão de Direitos Humanos do Senado, um projeto que legaliza o aborto em casos de feto encefálico.

A bancada evangélica reagiu apresentando uma proposta de emenda constitucional para incluir na Carta Magna o termo “desde a concepção”, no artigo que trata da inviolabilidade do direito à vida.

Se aprovada pelo Congresso, a mudança poderia tornar ilegais toda forma de aborto.

Para que o aborto encefálico torne-se Lei no Brasil, o projeto ainda precisa tramitar por outras duas comissões do Senado, depois pela Câmara dos Deputados.

[b]Fonte: The Christian Post[/b]