A “guerra santa” entre a católica Globo e a evangélica Record ficou clara ontem em seus principais telejornais. Enquanto o “Jornal Nacional” foi praticamente tomado pela chegada de Bento 16 ao Brasil, o “Jornal da Record” abordou vários outros assuntos. Foi o tom da cobertura, contudo, o que mais diferenciou as emissoras.

No “Jornal Nacional”, ancorado por Fátima Bernardes do mosteiro de São Bento, o clima era de festa. As reportagens falavam da “multidão” que “enfrentou o frio” e recebeu o papa “de forma calorosa”, com “gritos de torcida organizada”. Até um evangélico apareceu dizendo que queria abraçar o papa.

Uma breve menção ao trânsito na cidade, que estava “complicado como todo santo dia”. Já a Record fez grande reportagem sobre o congestionamento, que só “não chegou a causar grandes transtornos” graças “à precaução dos motoristas”.

A outra principal reportagem sobre Bento 16 na Record, sobre o “forte esquema de segurança”, dizia que “o líder católico estará sempre cercado por policiais” e “os fiéis serão sempre mantidos a uma distância mínima de quatro metros”.

Fonte: Folha de São Paulo